Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

'Pergunta para as vítimas dos que morreram o que acham', diz Bolsonaro sobre massacre em Altamira

Presidente não deu nenhuma informação sobre o que o governo federal pretende fazer em relação ao episódio; matança é a maior do País desde os 111 mortos no Carandiru, em São Paulo, em 1992

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2019 | 11h35
Atualizado 30 de julho de 2019 | 15h34

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro evitou lamentar nesta terça-feira, 30, o massacre de 57 pessoas no Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRALT), no sudoeste do Pará. As mortes, causadas por uma briga entre facções, aconteceram nesta segunda.

Questionado nesta manhã sobre o caso, Bolsonaro afirmou: "Pergunta para as vítimas dos que morreram lá o que elas acham. Depois eu falo com vocês". Ele não deu nenhuma informação sobre o que o governo federal pretende fazer em relação ao episódio.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Pergunta para as vítimas dos que morreram lá o que elas acham. Depois eu falo com vocês.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jair Bolsonaro, presidente da República

A maioria dos mortos no massacre de segunda-feira foi vítima de asfixia depois que a cela onde eles estavam ter sido incendiada. Dezesseis foram decapitados. Segundo a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), dois agentes prisionais chegaram ser feitos reféns e foram liberados. No início da tarde o motim havia sido encerrado.

Massacre em Altamira, no Pará

O massacre de Altamira é o maior do País desde os 111 mortos no Carandiru, em São Paulo, em 1992. É o quinto episódio de chacina prisional de grandes proporções desde 2017, quando casos desse tipo passaram a ser disseminados como elemento da disputa de território nas prisões e fora delas por parte de facções criminosas.  

Nesta terça, o governo do Pará iniciou a transferência de 46 detentos após o massacre.  Do total, oito homens apontados como líderes da facção Comando Classe A (CCA), responsável pela matança, serão encaminhados para penitenciárias federais; oito para unidades em Belém, onde ficarão em isolamento; e 30 serão distribuídos por outras cinco prisões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.