Perguntas e respostas sobre o crime

1. Como um menino de 13 anos conseguiu acertar todos os tiros na cabeça?

Bruno Paes Manso, O Estado de S. Paulo

08 de agosto de 2013 | 23h06

A hipótese é de que eles foram dados à queima-roupa. Há agora também a informação de que ele sabia atirar.

2. Como a convicção das polícias se formou tão rapidamente na investigação?

A posição dos corpos e a cena do crime foram decisivas. O pai estava de bruços, como se dormisse. A mãe, de joelhos, parecia ter acordado assustada com os disparos. Avó e tia-avó ainda estavam dormindo. Marcelo caiu sobre a arma. O ambiente estava em ordem e não havia tiros na parede. A arma do crime estava no local.

3. Marcelo era destro ou canhoto?

Apesar da polêmica inicial por causa do depoimento dado por um tio, familiares e professores confirmaram que ele era canhoto. A mão esquerda segurava a arma do crime, e o tiro foi dado do lado esquerdo.

4. Por que o exame de pólvora nas mãos deu negativo?

A hipótese é de que ele tenha atirado nos pais, na tia-avó e na avó usando luvas. Elas estavam no carro da mãe, que Marcelo teria furtado para ir à escola.

5. Se Marcelo deixou as luvas no carro, antes do suicídio, por que o teste não detectou pólvora nas mãos dele?

Resultados negativos de pessoas que atiraram são normais. Por isso, o exame residuográfico só funciona como prova em casos positivos, para comprovar sem dúvida que suspeitos dispararam armas.

6. Marcelo aparentava estar perturbado?

Os vizinhos os descrevem como uma pessoa normal e afável. Colegas e professores da escola relataram comportamentos suspeitos. Para um amigo, disse que sonhava ser matador de aluguel, matar os pais e fugir no carro dos pais para um local abandonado.

7. Nenhuma vítima reagiu?

O pai teria sido morto enquanto dormia. A mãe acordou, mas não teve tempo de reagir. A suspeita é de que a avó e a tia-avó estivessem sedadas com medicamentos.

8. Há versão alternativa, na opinião da polícia?

Não.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.