Perícia não encontra sangue dos Staheli em pé-de-cabra

Principal suspeito do assassinato dos norte-americanos Todd e Michelle Staheli, o caseiro Jossiel Conceição dos Santos, de 20 anos, depôs por duas horas no Ministério Público. Diante da promotora Danielle Navega, apresentou sua terceira versão para o crime desde que foi preso, na quinta-feira. Ele acrescentou dois novos nomes à lista de suspeitos e disse ter recebido um cheque de R$ 7 mil, que teria sido apreendido, junto com sua carteira de identidade, quandotentou sacar o dinheiro. O exame realizado no pé-de-cabra apontado como a arma do crime não encontrou vestígios de sangue das vítimas.Na quinta-feira, Santos havia confessado à polícia ser o assassino do casal Staheli. O caseiro disse que usou um pé-de-cabra para matá-los por vingança, porque Todd o teria chamado de ?crioulo? e ele teria se sentido humilhado. No dia seguinte, já acompanhado por defensorespúblicos e liberto por ordem judicial, Santos contou uma nova história, na qual não teria entrado na mansão dos Staheli. Ele teria sidocontratado por dois homens, ambos brasileiros, para ensiná-los como entrar na casa dos norte-americanos sem serem registrados pelas câmerasde segurança. Os homens teriam oferecido ao caseiro R$ 40 mil, nunca pagos.?Não vamos solucionar o crime de uma hora para a outra. Jossiel tem que ser ouvido outras vezes. Mais pessoas têm que ser ouvidas. Há muitas diligências para serem realizadas até que o Ministério Público possa tirar uma conclusão sobre a autoria?, afirmou a promotora Danielle Navega. Santos, que foi incluído no programa de proteção a testemunhas, deixou a sede do MP sob forte escolta, usando colete à prova de balas. A polícia passou parte do dia procurando os dois novos suspeitos, que segundo o caseiro morariam em uma favela da zona oeste.Adiamento ? A reconstituição do crime foi adiada com a nova versão, segundo a qual Santos não entrou na mansão dos Staheli. Os policiais querem atestar a veracidade das informaçõespassadas pelo caseiro antes de agendar a data da simulação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.