Perigo nas estradas

Moro em Itaberá, São Paulo, e as rodovias que tenho de usar para ir para outras cidades estão intransitáveis, como a Rodovia SP-249, no trecho Coronel Macedo-Itapeva. De Itaberá a Itapeva (33 km) sempre ocorrem muitos acidentes e mortes, pois há buracos enormes, o acostamento é horrível e não há faixas adicionais. Há um centro do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) em Itapeva, mas os funcionários não fazem a manutenção da estrada. Até quando veremos nossos veículos se estragarem nessa estrada e as vidas de muitos jovens se perderem por falta de investimento. E os altos impostos que que pagamos? Isso sem falar na quantidade de pedágios, que muitas vezes saem mais caros que o combustível. Qual a distância mínima entre um pedágio e outro?ELISETE SERRES PACHECOItaberáO DER informa que a Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho (SP-249) é uma prioridade do Estado e receberá obras de melhorias. Para isso, está em fase de contratação uma empresa que fará o projeto executivo para as obras na SP-249 entre os municípios de Itaberá e Coronel Macedo. Estão previstos serviços de recapeamento da pista e pavimentação dos acostamentos em mais de 32 km. O processo antecede a contratação das obras de recuperação da rodovia. O DER salienta que a rodovia é mantida por serviços de conservação de rotina permanente, como tapa-buracos, roçada e limpeza da pista e acostamentos. A sra. Elisete indaga sobre cobrança de pedágios, mas informamos que não há pedágios na rodovia citada (SP-249). ASSESSORIA DE IMPRENSA DA SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Assaltado e humilhadoNo dia 2/12, às 22h30 fui, assaltado na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, próximo ao cruzamento com a Brigadeiro Faria Lima - simplesmente um dos pontos mais caros de São Paulo. Fui abordado e espancado por dez meninos de rua. Ainda sinto a dor dos socos e pontapés. Mas o que mais me espanta é o fato de não haver nenhum carro de polícia nesse cruzamento; ir à delegacia e ver vários carros de polícia parados em frente; a demora para ser atendido; e diversos policiais lá dentro conversando. Até o dia 3 ainda não tinha conseguido fazer o Boletim de Ocorrência. Pergunto: será falta de policiais? Não, eles estavam dentro da delegacia conversando. O mais surpreendente foi chegar com a camisa social toda rasgada e o atendente da delegacia dizer: "Por favor, senhor, feche a camisa." É cada vez mais hilário morar no Brasil, isso só pode ser piada!THIAGO VAN LEEUWENSão PauloTrio fantástico!Contratei o pacote Trio Total Telefônica em 20/9. Nele constavam a TVA Total, o Speedy 4 mega e o Plano Fale à Vontade. Comprei também dois pontos extras para a TV a cabo. A TVA foi instalada quatro dias depois e, em seguida, recebi a cobrança - já na primeira fatura havia um aviso de que eu estava em débito com o mês anterior! Depois de muitas reclamações o Speedy foi instalado. Descobri depois que foram instalados 2 mega, e não 4. Disseram que a instalação seria alterada sem ônus, mas obviamente não foi. Fui informada que minha região (Jardim Paulista) não tem adequação para 4 mega. A fatura da Telefônica chegou, de R$ 137,68, acima do acordado. Ao ligar para saber o motivo do valor, fui informada de que não contratei o Fale à Vontade. Gostaria de saber que plano comprei, já que não existe nenhum disponível na Telefônica que englobe apenas TVA e Speedy. Não recebi nenhuma resposta.Tenho vários protocolos. Quero aqui relatar, publicamente, minha ingenuidade ao comprar um serviço por telefone e não ter uma garantia ou contrato assinado.ADRIANA DIP ANDREOTTISão PauloA Telefônica informa que a situação da sra. Adriana foi regularizada, sem ônus financeiros à cliente. Em relação à TV a cabo, a TVA foi contatada para verificar o problema.A leitora contesta: A Telefônica não cumpriu com o que prometeu. A atendente que me ligou para resolver os problemas se chamava Bruna e poderia ser encontrada no número 5525-6100. O telefone não existe. Ela admitiu no dia 17/11 que minha conta de 9/11 estava errada, pois, em vez do plano Fale à Vontade, havia sido cobrado o Plano Minutos, e que eu teria um crédito de R$ 96 para a fatura de dezembro. Não só não recebi o crédito, como fui cobrada pelo Plano Minutos e mais o Fale à Vontade. Não há nada registrado no telefone 10315, setor de contas. A atendente disse que eu devo ter registrado o número de protocolo errado e que é impossível saber quem falou comigo. O Speedy, que ainda não é de 4 mega, como contratei, foi cobrado 3 vezes. De novo, peço ajuda e quero deixar registrada minha surpresa com tamanha desonestidade!As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.