Perita contradiz versão de Daniel e Christian

Em depoimento de cerca de uma hora, a perita do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jane Pacheco Belucci contradisse as declarações dadas por Daniel e Christian Cravinhos, em seus interrogatórios no julgamento em que são acusados de, junto com a ex-namorada de Daniel, Suzane, matarem os pais dela, Manfred e Marísia von Richthofen. Segundo Jane, é impossível que apenas uma pessoa tenha golpeado e matado o casal.Ontem, Daniel inocentou seu irmão Christian ao dizer que ele sozinho havia matado o casal. Christian repetiu versão do irmão, dizendo que na hora do crime, se arrependeu e só observou o irmão matar o casal. "Não tem como uma só pessoa ter agredido o casal", disse Jane. Segundo a perita, os dois foram agredidos simultaneamente. De acordo com Jane, as pessoas que mataram o casal levaram meia hora para concluir o crime. O depoimento, ilustrado com fotos da perícia feitas na noite do crime, mostrando os corpos do casal, foi um dos mais chocantes até o momento. Alguns dos jurados não conseguiram ver as imagens impactantes que foram exibidas no telão do plenário. Por volta das 19h50, começou a depor Fábio Oliveira, diretor da penitenciária de Iperó, no interior paulista, onde ficaram presos os irmãos Cravinhos. Arrolado pela defesa dos Cravinhos, não acrescentou muito em seu depoimento de menos de dez minutos. Disse apenas que os dois tinham bom comportamento na penitenciária de Iperó. "Eu diria até exemplar". Na seqüência, começou a depor Ivone Muss Wagner, testemunha da defesa dos Cravinhos. Segundo ela, Suzane dominava a mente de Daniel.Faltam ainda 10 testemunhas para serem ouvidas, pois duas delas, Astrogildo Cravinhos, pai dos irmãos Daniel e Christian, e um tio de Suzane, foram dispensadas. Como o juiz Alberto Anderson Filho acredita que esses depoimentos não serão encerrados ainda hoje, a acareação entre Suzane e o ex-namorado deverá ser feita nesta quarta-feira. ContradiçõesEm seus interrogatórios, Daniel, Christian e Suzane entraram em contradição. Daniel Cravinhos inocentou seu irmão, Christian, dizendo que matou sozinho o casal Richthofen. Christian repetiu a versão do irmão, dizendo que apenas confessou o crime para protegê-lo. Suzane, por outro lado, se defendeu das acusações de Daniel, segundo quem ela teria fumado maconha antes de conhecê-lo e não era mais virgem. Suzane rebateu as declarações, dizendo que apenas conheceu as drogas após começar o namoro com Daniel. CrimeSuzane, seu ex-namorado Daniel e o irmão dele, Christian, confessaram ter planejado e matado os pais dela, Marísia e Manfred von Richthofen, a golpes de barra de ferro, na casa em que a família vivia, em outubro de 2002.Os três foram denunciados pelo Ministério Público por crime de duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa das vítimas.Atualizada às 20h27

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.