Peritos terão de ser especialistas em trânsito

Hoje, há 8 mil médicos, em todo o País, que trabalham em clínicas especializadas em trânsito. Eles vão poder continuar trabalhando normalmente mas, a partir de agora, só poderão se credenciar para a atividade profissionais especializados em medicina de tráfego pela Associação Médica Brasileira (AMB) ou pelo Conselho Federal de Medicina (CFM)- outra das mudanças estabelecidas pela portaria 257 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Esses profissionais também deverão ter no mínimo dois anos de carreira e estar inscritos nos conselhos regionais.A portaria também estabelece que os psicólogos que fizerem avaliações também deverão ter título de especialista em trânsito reconhecido pelo conselho federal. Os cursos de capacitação para a área também terão de ser reconhecidos pelo Ministério da Educação. As entidades e médicos credenciados devem ser divulgados anualmente pelos Detrans. Já os custos dos exames manterão a tabela atual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.