Permissão para matador do shopping terminar a faculdade deve ser negada

O juiz Octávio Machado de BarrosFilho, corregedor dos presídios da capital, disse hoje que vaiproibir a saída da prisão do estudante de medicina Mateus daCosta Meira para completar o curso de oftamologia na Faculdadeda Santa Casa. "Não existe estrutura de segurança para que ele saia dacadeia e possa freqüentar a faculdade. Seria preciso no mínimodois agentes armados para a escolta e não seremos nós que vamoscolocar em risco a sociedade", declarou o juiz. A matrícula nafaculdade foi determinada por uma juíza da 14.ª Vara Federal apedido dos advogados de Meira. A direção da Santa Casa, por meiode sua assessoria jurídica, recorreu informando à juíza que apresença de Meira era perigosa. Ele ficaria dois meses em serviço de ambulatório,atendendo pacientes, e havia necessidade da presença de homensarmados, o que colocaria em risco o trabalho dos médicos,enfermeiros e estudantes. A juíza manteve sua decisão obrigandoa Santa Casa a matricular o criminoso. "Não tivemos outrasaída. Nós obedecemos à Justiça e à lei", disse o diretor dafaculdade Ernani Rolim. Em 1999, Meira matou a tiros de submetralhadora trêspessoas e feriu outras cinco numa sala de cinema no MorumbiShopping, na zona sul de SP. Ele cursava o sexto ano de medicinae, para se formar e receber o diploma, falta o estágio deoftamologia. "Qualquer preso pode pedir para se matricular emqualquer curso, mas a lei não autoriza a saída do presídio. Ascondições de Mateus Meira não são boas até pela sua estruturaemocional", disse o juiz corregedor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.