Seis são mortos em confronto com a PM após ataques em Pernambuco

Grupo atacou agências bancárias com explosivos e fez reféns na cidade do Cabo de Santo Agostinho

Monica Bernardes, Especial para O Estado

02 Março 2017 | 17h03

RECIFE - Três agências bancárias foram atacadas com explosivos em dois municípios de Pernambuco, na madrugada desta quinta-feira, 2. Na cidade do Cabo de Santo Agostinho, na região metropolitana do Recife, oito pessoas foram feitas reféns durante a ação criminosa. A Secretaria de Defesa Social informou a prisão de três homens e a morte de seis, durante confronto com policiais que participaram da perseguição. 

Já na Mata Norte do Estado, um posto do Banco do Brasil também foi alvo de explosão nas proximidades da prefeitura de Lagoa do Carro. Não houve feridos e nem prisões relacionadas a este caso. 

No Cabo, de acordo com informações de testemunhas, para impedir a perseguição da Polícia Militar, os criminosos deixaram grampos em um trecho da BR-101 e queimaram veículos. Ainda segundo testemunhas ouvidas pela polícia, o grupo estaria fortemente armado e se dividiu em pelo menos dois carros e uma moto. Na cidade, os ataques foram contra agências do Banco do Brasil e do Itaú. Com as explosões, as vidraças de uma agência da Caixa Econômica Federal acabaram sendo atingidas.

Os reféns, um grupo de rapazes, estavam em um quiosque de alimentos localizado às margens da rodovia e foram obrigados a entrar em um carro e seguir com os bandidos. Alguns chegaram a ser amarrados no capô do veículo. 

"Parecia cena de filme. Ouvimos as explosões e logo em seguida a movimentação. De repente eles já estavam na frente da gente, com as armas em punho e gritando. Eu fui jogado dentro do carro, mas dois amigos foram colocados em cima do capô de um carro de cor escura. Achei que fôssemos todos morrer. Pelo menos um outro rapaz disse que já estava sendo feito refém desde a explosão das agências. Eles disseram que se a polícia viesse atrás deles nós seríamos a segurança deles", destacou um dos reféns, que é comerciante e morador do Cabo e prefere manter a identidade sob sigilo. Um moto taxista que passava pelo local e se recusou a parar foi baleado na perna.

Segundo outras testemunhas, após a liberação dos reféns, em um trecho da parte nova da BR-101, o grupo teria abandonado os carros usados na ação e seguido em outros veículos. Um ônibus usado por trabalhadores rurais foi parado e atravessado na pista pelos criminosos para dificultar o trânsito da polícia no local. 

A perseguição policial que culminou com a prisão e a morte de suspeitos, em um canavial localizado na cidade de Moreno, na região metropolitana, foi comandada pelo delegado Alberes Felix. Durante a fuga, o grupo teria atirado contra os policiais que estavam em um helicóptero. Seis homens morreram no canavial e um chegou a ser levado a um hospital no Recife, mas não resistiu. 

Com eles, segundo a Polícia Civil, foram apreendidos uma submetralhadora e três fuzis. Não há informações sobre supostos valores roubados. As investigações estão sendo coordenadas pelo Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri). 

Outro caso. Na semana passada um grupo participou de um assalto cinematográfico a uma empresa de transporte de valores localizada na zona oeste do Recife. A investida levou pânico aos moradores de pelo menos seis bairros localizados no entorno. Houve tiroteio, explosão e queima de veículos e estabelecimentos comerciais. Segundo o Sindicato dos Bancários de Pernambuco, pelo menos 22 agências e postos bancários foram assaltados desde o início do ano no Estado. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.