Perseguição a quadrilha na Bahia faz mais quatro mortes

Polícias federais e militares continuam a perseguir dois remanescentes do bando da família Araquan que assaltou na quinta-feira o Banco do Brasil de Pilão Arcado, a 774 quilômetros de Salvador. No inicio da noite de ontem a polícia localizou e matou outros três integrantes da quadrilha, identificados como Francisco José Santos, o Gordo, Teógenes Araquan e um homem conhecido como Adriano.Os três haviam conseguido furar o cerco policial no Morro do Sarango em Pilão Arcado no final de semana e alcançaram o Lago de Sobradinho no Rio São Francisco. Os bandidos sequestraram um barqueiro e o obrigaram a levá-los até a Ilha de Canjui e depois, atravessando o lago, até a cidade Sento Sé onde se esconderam na casa de um parente do trio, na Rua Cícero Borges. Localizados pelos policiais teriam resistido à prisão e foram mortos.No início da noite, policiais de Pilão Arcado acharam o corpo de mais um dos assaltantes da quadrilha. Estava num ponto do Morro do Sarango. Identificado pelo prenome de Orlando, o assaltante morto portava um fuzil AR-15. Segundo a polícia os dois integrantes do bando ainda foragidos foram identificados como Davi Gonçalves Filho e "Guedes", queestariam escondidos num dos municípios que margeiam o Lago de Sobradinho. O assalto e a perseguição ao bando já provocounove mortes: sete integrantes da quadrilha da família Araquan, um policial federal e um pedreiro. Cerca de cem policiais participam da perseguição à quadrilha com apoio de dois helicópteros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.