Perueiros entram em confronto com a PM no Recife

Em greve por tempo indeterminado, os perueiros do Grande Recife entraram em confronto no final da tarde de hoje com a Polícia Militar na Avenida Mascarenhas de Morais, no bairro Imbiribeira. Houve pancadaria, uso de bombas de efeito moral, feridos e nove manifestantes presos. Outros 12 haviam sido presos durante a manhã porque fizeram piquetes na Imbiribeira e no Pina, no bairro de Boa Viagem, sendo liberados depois de prestarem depoimento na delegacia. Os motoristas e cobradores acusaram a PM de uso arbitrário da violência contra os grevistas, que bloquearam totalmente a avenida, que dá acesso ao Aeroporto Internacional dos Guararapes. Os policiais argumentaram que os manifestantes estavam se organizando em grupos e investindo contra eles, além de ameaçarem depredar os ônibus coletivos que tentavam trafegar no local. Um deles, da empresa Borborema, teve janelas quebradas. A via havia sido bloqueada parcialmente desde a manhã. A interrupção total ocorreu depois do fracasso das negociações de uma comissão de grevistas com a Prefeitura do Recife. Como o Batalhão de Choque não conseguiu liberar a avenida, um reforço da Cavalaria chegou ao local e no início da noite o trânsito voltou a fluir em uma das faixas. De acordo com a PM, um total de 400 policiais foram colocados nas ruas. Os perueiros protestam contra a lei municipal que regulamenta a circulação de kombis e vans na cidade, publicada no Diário Oficial, que pretende autorizar 252 veículos em 25 linhas. Hoje, cerca de 1,2 mil kombis trafegam na área, de acordo com o presidente do SindRecife, José Gonçalves. O Sindkombi, outro sindicato que representa a categoria, uniu-se ao SindRecife na greve. Eles querem que pelo menos 700 kombis possam continuar circulando e a permanência das 35 linhas que percorrem. A prefeitura, do PT, não atendeu aos perueiros. O secretário de Serviços Públicos, Dílson Peixoto, disse que o número de veículos com permissão de fazer transporte alternativo foi definido pelo Conselho Municipal de Transporte e Trânsito e que o assunto já estava definido em lei. O presidente do Sindkombi, Amauri Soares, disse que a greve, iniciada hoje, continua amanhã.

Agencia Estado,

02 Junho 2003 | 19h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.