Perueiros fazem prefeitura de SP dobrar segurança

O esquema de segurança no Palácio das Indústrias, sede da prefeitura de São Paulo, foi dobrado hoje à tarde por causa da manifestação de cerca de 200 perueiros do lado de fora prédio. Eles querem uma explicação da prefeita Marta Suplicy para o cancelamento da inscrição de 6.554 perueiros na licitação feita pelo ex-prefeito Celso Pitta. Segundo a prefeitura, a licitação foi cancelada hoje porque a Procuradoria Geral detectou irregularidades no processo.Os perueiros acreditam que até o final do dia, quatro mil profissionais se instalem em frente ao Palácio. Segundo a inspetora Dulce Telles, que está no comando da equipe, até o momento nenhuma infração foi registrada e o clima permanece tranquilo. Do lado de fora oito motocicletas da Polícia Militar também fazem a segurança.Os perueiros chegaram a invadir a sala do secretário de Transportes, Carlos Zarattini, quando foram informados do cancelamento da licitação. Eles também criticaram a proposta de trabalharem como empregados das empresas de ônibus. ?A proposta é absurda. Nem os funcionários das empresas recebem o salário em dia,? afirmou o presidente da Cooperativa dos Profissionais Autônomos em Autolotação de São Paulo, Luiz Pandora.O secretário tentou explicar aos perueiros o que havia ocorrido e foi iniciado um bate-boca. Zarattini pediu para que eles se retirassem do local. Enquanto saiam, os manifestantes insultavam o secretário com as expressões "incompetente" e "office-boy da Marta Suplicy".De acordo com a assessoria da secretaria de Transportes, Zarattini vai elaborar duas portarias disciplinando o transporte dos perueiros. A primeira delas prevê que o motorista que já está inscrito no processo de licitação possa continuar rodando por mais 180 dias. Para isso, no entanto, eles deverão revalidar o protocolo e seus carros devem passar por uma vistoria. A segunda medida prevê a abertura de uma nova licitação para que a categoria possa trabalhar. A expectativa de Zarattini, de acordo com a assessoria é que as duas medidas estejam em vigor até o início da próxima semana. A medida pegou de surpresa os motoristas. ?Estamos participando do processo de licitação há dois anos e por conta disso nos endividamos para podermos comprar novas peruas. Como faremos para pagar as parcelas restantes se não estamos trabalhando?, perguntou a perueira Ivonete dos Reis, que possui uma dívida de mais de R$ 2 mil acertada em 36 prestações.Os perueiros prometem uma manifestação com seis mil motoristas para o próximo dia 1º no autódromo de Interrogas, no dia do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, disse Pandora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.