Perus: ainda sem hospital

Dinheiro de leilão só pode ir para obras ambientais

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

28 Agosto 2008 | 00h00

Com a realização do leilão dos créditos de carbono há quase um ano, os moradores de Perus, na zona norte de São Paulo, esperavam que os recursos fossem destinados para a construção de um hospital público. "A comunidade foi à audiência pública para sugerir o hospital. Mas a subprefeitura já tinha uma planilha e disse que os recursos eram apenas para projetos de desenvolvimento sustentável", diz Roberta Mendes, auxiliar técnica em Educação. Os bairros de Perus e Anhangüera, que abrigam 170 mil moradores, contam com um pronto-socorro e duas unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMA). O hospital mais próximo fica em Parada de Taipas, distante cerca de meia hora. "A Secretaria de Finanças e a Biogás orientaram que os recursos fossem aplicados em obras voltadas para o meio ambiente", diz a subprefeita de Perus, Sandra Santana. "A Secretaria do Verde e Meio Ambiente pensa em fazer uma escola de marcenaria, fazendo reúso da madeira", diz. Segundo ela, a população não se opôs às propostas da Prefeitura nem apresentou nenhum projeto. "Os recursos arrecadados com a venda de créditos de carbono não têm destinação específica. Depende do que é estabelecido pela prefeitura ou pelo contrato", diz o advogado Ludovino Lopes, especializado em direito ambiental. Caso o dinheiro não tenha destinação específica, ele pode ser utilizado em obras prioritárias, como escolas e hospitais. Segundo ele, duas cidades do Pará pretendem realizar leilões de crédito de carbono em breve com o objetivo de direcionar os recursos para projetos sociais, como inclusão digital. Até agora, a subprefeitura investiu R$ 6.441.917,30 em obras que estão em andamento: R$ 1,66 milhão em três praças, R$ 951 mil em um plano estratégico do bairro, R$ 3,61 milhões em cinco praças que estão em processo de licitação, R$ 32 mil no projeto para a construção de blocos esportivos e culturais e R$ 148 mil em projeto de nove novas áreas verdes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.