Pescador é atacado por tubarão a 500 quilômetros da costa pernambucana

O indonésio Sunarko, de 43 anos, passou por cirurgia, está consciente e estável, mas corre o risco de perder o braço direito

Angela Lacerda, Especial para o Estado

11 de junho de 2014 | 14h29

RECIFE - Atacado no braço direito por um tubarão, durante pesca em alto mar, um tripulante do barco Kinei Maru, de bandeira japonesa, passou por cirurgia na manhã desta quarta-feira, 11, no Hospital da Restauração, no Recife, e corre o risco de perder o membro. Natural da Indonésia e identificado como Sunarko, de 43 anos, o pescador está consciente e estável, sem previsão de alta. 

De acordo com informações repassadas pela tripulação, o barco se encontrava a 500 quilômetros da costa pernambucana, quando ocorreu o incidente, nesta segunda-feira, 9. Os pescadores lançaram a rede e, em meio a outros peixes, veio um tubarão. Eles pensaram que o animal estivesse morto e puxaram a rede. Ao chegar à embarcação, o tubarão mordeu o pescador.  

O médico Elimarcos dos Santos Nunes, responsável pela cirurgia, disse que a possibilidade de perda do braço ocorre porque "ele só foi atendido 36 horas depois do ataque, a lesão foi extensa e profunda, e há o risco de infecção". A lesão tem extensão de cerca de 15 centímetros e alcança o osso. "Vamos esperar a evolução", afirmou Nunes.

A embarcação chegou ao Recife por volta das 4h30 desta quarta-feira. A Capitania dos Portos informou ter sido acionada com o pedido de socorro da embarcação nesta terça-feira, 10, e acionou o resgate. O 3º Distrito Naval, no Rio Grande do Norte, foi contatado antes, na madrugada, mas repassou o caso para Pernambuco, porque o barco estaria mais próximo da costa pernambucana.

O cirurgião disse já ter atendido outros casos de ataque de tubarão, mas todos ocorridos em um trecho de 30 quilômetros da orla pernambucana - incluindo a praia urbana de Boa Viagem, no Recife. Desde 1992, foram registrados 59 ataques do animal nessa área.

Mais conteúdo sobre:
BrasilPernambucoTubarão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.