Pescadores fazem vigília contra demolição de capela no Ceará

Arquidiocese de Fortaleza negociou dívida de R$ 250 mil e entregou a capela que fica na Av. Beira Mar

Lauriberto Braga, de O Estado de S. Paulo,

17 de dezembro de 2007 | 13h29

A Arquidiocese Metropolitana de Fortaleza negociou com a União uma dívida de R$ 250 mil. Como pagamento entregou a centenária capela de São Pedro, na Avenida Beira-Mar, no bairro Mucuripe. Os pescadores revoltados estão em vigília e pedem o tombamento da capela, que foi erguida no final do século XIX. Há ameaça de demolição da capela por parte do Patrimônio da União. A bancada federal do Ceará busca o anistiamento da dívida e a preservação da capela, que é freqüentada principalmente por pescadores e seus familiares. O pároco da Catedral de Fortaleza, padre Clairton Alexandrino diz que a igreja não pode fazer mais nada, uma vez que a dívida é ativa e já foi negociada com a União. Os pescadores destacam que é da capela que sai a tradicional procissão de São Pedro, no final de junho; e aonde eles agradecem as boas pescas todas as vezes que voltam do mar. "Lá também a gente fica rezando para que eles voltem bem do mar", afirma a dona Francisca Chaves, de 58 anos, mulher de um pescador. A capela fica em um ponto valorizado da Beira-Mar e deve ser demolida. A União ainda não sabe o que fazer com o local. Agora, a luta dos pescadores é conseguir o impedimento da demolição e fazer da igreja um patrimônio histórico da União. "Com o tombamento tudo fica resolvido", aposta a deputada federal Gorete Pereira (PR), que está à frente do movimento em Brasília para conseguir evitar o fim da capela. Os pescadores afirmam que não permitirão a demolição. Eles prometem ficar em vigília até que a União tombe a capela.

Tudo o que sabemos sobre:
CearácapeladívidaFortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.