Petebista pede desculpas aos colegas por críticas

Campos Machado, líder do partido de Barbiere, disse no plenário da Casa que ele não teve intenção de ofender a Assembleia

O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2011 | 03h05

O líder do PTB, Campos Machado, foi ontem ao plenário da Assembleia pedir desculpas em nome de Roque Barbiere pelas declarações em que comparou os deputados da Casa a camelôs.

"Pediu-me ele (Barbiere) que pedisse desculpas a todos os parlamentares desta Casa. Alguns com que ele convive há 20 anos, 15 anos", disse, tentando amenizar o clima. "Não teve ele a intenção de constranger os senhores deputados, incriminar qualquer deputado. Disse ele que a única intenção é encontrar uma maneira técnica, diferente das atuais, em relação às emendas."

Machado indicou, na reunião de líderes e em plenário, que Barbiere não vai dar explicações pessoalmente amanhã no Conselho de Ética. "(Barbiere) disse que voltará ao convívio desta Casa a partir da semana que vem."

O líder do PTB terminou de forma misteriosa sua intervenção. "Defendo que a apuração seja feita de maneira rigorosa. Mas insinuações, provocações, como líder da minha bancada, não vou aceitar. Apure-se. Punam-se os culpados se houver. Mas não atire uma pedra sem ter certeza do alvo que vai atingir."

CPI. O líder do PT na Assembleia, Ênio Tatto, disse que o colégio de líderes deliberou por aguardar a argumentação que Barbiere levará ao Conselho de Ética para decidir sobre um eventual processo contra ele. Tatto afirmou que a única forma de apurar verdadeiramente o caso seria abrir uma CPI, já que o Conselho de Ética pode convocar apenas deputados para depor.

"Só existe uma forma de apurar com profundidade, convocar prefeitos, secretários, donos de empreiteiras. É com uma CPI", disse. Segundo Tatto, porém, isso é difícil porque o governo estadual trabalha contra a ideia. "Toda a base está orientada para não se abrir CPI para nada. Isso é um costume, um método." / F.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.