Petista almoça com 86 prefeitos fluminenses

Carros oficiais lotaram a calçada da churrascaria, [br]onde ocorreu a reunião com Dilma, com presença de Cabral e ministros

Alfredo Junqueira / RIO, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2010 | 00h00

O PT e o PMDB do Rio deram uma mostra, ontem, do seu potencial de mobilização da máquina pública em favor da pré-candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff. Os dois partidos comandaram a organização de um almoço numa churrascaria na Baixada Fluminense que reuniu os ministros Carlos Luppi (Trabalho) e Márcio Fortes (Cidades), o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e 86 prefeitos de um total de 92 do Estado.

Militantes e dirigentes do PSB, PP, PC do B, PDT e outros partidos da base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva também participaram do almoço. No entorno da churrascaria, dezenas de carros oficiais tomaram conta das calçadas e chegaram a fechar o trânsito em ruas adjacentes à Rodovia Presidente Dutra. Pelo menos sete veículos que servem para uso exclusivo do transporte de prefeitos para atividades relacionadas à administração municipal estavam na frente do estabelecimento: Carmo, Conceição de Macabu, Mangaratiba, Mendes, Porciúncula, São José de Ubá e São Sebastião do Alto.

PSDB e DEM. A mobilização pró-Dilma contou até com filiados ao PSDB e o DEM. De acordo com a lista divulgada pela organização, cinco dos oito prefeitos tucanos e quatro dos cinco administradores municipais democratas participaram.

O evento ainda contou com a segurança de policiais militares que acompanham Cabral e impediram o acesso dos jornalistas ao local onde Dilma confraternizou e discursou para os políticos. A truculência dos agentes constrangeu o governador, que se desculpou ao final do evento.

O presidente regional do PT, deputado Luiz Sérgio, confirmou que as despesas serão divididas entre os petistas e o diretório regional do PMDB.

Ele não soube informar, no entanto, quanto o evento custou aos partidos. O preço cobrado normalmente por pessoa é de R$ 60, de acordo com o restaurante. Como foram 400 convidados, o valor da festa ficou em pelo menos R$ 24 mil.

No discurso, a pré-candidata do PT à Presidência procurou estabelecer uma identificação com os prefeitos. Disse que sempre é questionada sobre sua inexperiência eleitoral, mas destacou sua trajetória em funções da administração pública. "Queria dizer isso para vocês porque é algo muito importante para a minha experiência e formação."

Ao final do evento, a pré-candidata recusou-se a falar sobre a aliança com o ex-governador Anthony Garotinho (PR), que enfrenta Cabral em sua tentativa de voltar ao poder e que daria à petista o seu segundo palanque no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.