Petista e tucano se preparam para o debate da Globo

No último debate da eleição, marcado para nesta sexta-feira à noite na TV Globo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, pretendem apostar num confronto menos ofensivo. Nada garante, porém, que essa linha será cumprida. Se de fato a trégua for confirmada, ocorrerá mais em razão do rígido formato do programa do que pela cordialidade dos concorrentes."Eu não tenho razão para ficar nervoso no debate", disse Lula na noite de quarta-feira, em comício no bairro da Capela do Socorro, em São Paulo, numa referência às pesquisas de intenção de voto, que indicam a sua reeleição no domingo. No palanque, o presidente falou por apenas 15 minutos. "O problema é que eu tenho debate", justificou. "Eu não canto, mas preciso estar com a voz preservada."CorinthiansO coordenador da campanha de Lula, Marco Aurélio Garcia, disse que o presidente está "afiadíssimo". "Muito afiado e bem melhor do que o time dele, o Corinthians", brincou Garcia, que também comanda o PT, ao lembrar a apertada vitória de 1 a 0 da equipe do Parque São Jorge, na quarta-feira, sobre o Palmeiras. Para o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, Lula vai apresentar propostas e terá uma atitude ponderada."Mas, se for atacado, dará respostas com a mesma intensidade", observou.O tom adotado por Alckmin no debate de hoje da TV Globo deve mostrar equilíbrio entre o desempenho "Mike Tyson" exibido por ele no confronto da Bandeirantes com o estilo "chuchu" apresentado no programa do SBT."O formato do debate permite que o encontro seja mais equilibrado e mais propositivo", comentou o coordenador-geral da campanha de Alckmin, senador Sérgio Guerra (PSDB-PE). Mesmo assim, ressalvou Guerra, o candidato não deixará de ser "contundente" ao abordar questões como a corrupção que atingiu o governo Lula.EnsaioAlckmin passou parte da tarde desta quinta-feira reunido com seus marqueteiros para o encontro de hoje à noite na sede da emissora, no Rio. Pelo formato do programa, o tucano e o petista responderão em três dos quatro blocos a perguntas de eleitores indecisos selecionados pela Globo sobre 20 temas, que vão de educação e saúde a corrupção. Apenas no bloco final é que cada candidato poderá fazer uma pergunta para o outro."Pelo menos o debate de amanhã (sexta) tem um formato diferenciado. O outro modelo - no qual candidato pergunta para candidato a maior parte do tempo, já adotado nos debates anteriores da Bandeirantes, do SBT e da TV Record - está saturado", avaliou Guerra.De manhã, antes de viajar para o Rio, Alckmin faria mais uma sessão de acupuntura, para se tranqüilizar. O candidato tucano vai embarcar por volta do meio-dia e passará a tarde em treinamento para o encontro.Já o presidente Lula pretende deixar Brasília só no fim do dia. Sua preparação será reforçada hoje de manhã, no Palácio da Alvorada. Pesquisas qualitativas encomendadas pela cúpula da campanha petista indicaram que os eleitores não gostam de estilo agressivo.Colaborou Denise Madueño

Agencia Estado,

27 de outubro de 2006 | 12h22

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.