Petistas menos votados devem se aproveitar do efeito Tiririca

Time de campeões das urnas na Câmara terá de palhaço a Garotinho, o ex-jogador Romário e o filho de Ratinho, da TV

, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2010 | 00h00

Confirmadas as projeções do Ibope, o time dos deputados federais mais votados do Brasil terá de palhaço a ex-governador, passando por herdeiros de políticos e de celebridades. Novidade, só uma: Reguffe (PDT), deputado distrital e o mais citado nas pesquisas no Distrito Federal.

Muitos dos candidatos a campeões de voto deverão levar, com suas sobras, outros menos votados. Haverá uma bancada Tiririca, que poderá ser composta por deputados do PT que correm o risco de ficar na rabeira da coligação, como Ricardo Berzoini e João Paulo Cunha.

O "abestado" candidato do PR teve duas vezes mais citações do que Paulo Maluf (PP) e três vezes mais do que a legenda do PT nas pesquisas do Ibope. Confirmada essa proporção nas urnas, Tiririca ultrapassaria 1 milhão de votos e elegeria ao menos três deputados na sua esteira.

Em São Paulo, os principais puxadores de voto para as outras coligações devem ser Bruna Furlan (PSDB), filha de Rubens Furlan (prefeito de Barueri), e Gabriel Chalita (PSB), ex-secretário da Educação e deputado estadual. No Rio, Anthony Garotinho (PR) deve ter duas a três vezes mais votos do que Romário (PSB), o segundo mais citado no Estado. O ex-jogador poderá bater bola com o goleiro Danrlei (PTB), capitão de sua coligação no Rio Grande do Sul.

Herdeiros políticos também não faltarão na Câmara. Leonardo Picciani (PMDB-RJ), filho de Jorge Picciani, deve ser bem votado. Mas não tanto quanto o filho do apresentador Ratinho, Carlos Massa Júnior (PSC), o mais citado no Paraná.

Filho de Zé Dirceu, Zeca Dirceu (PT) deve ser um dos novos deputados federais paranaenses, enquanto a filha de Miguel Arraes, Ana Arraes (PSB), disputa com João Paulo (PT) a liderança da votação em Pernambuco. Veja quais são os candidatos com mais chances de se eleger no blog www.voxpublica.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.