Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Petistas operam para barrar CPIs da oposição

Estratégia governista é preencher cota de funcionamento de cinco comissões simultâneas com temas de baixo potencial político

Denise Madueño, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2011 | 00h00

Na tentativa de brecar a abertura de Comissões Parlamentares de Inquérito incômodas ao governo, setores do PT estão estimulando a formação de CPIs de assuntos com potencial político baixo. A estratégia é preencher a cota de funcionamento de cinco comissões simultâneas na Câmara, como permite o regimento. Ao mesmo tempo, parlamentares em busca de holofotes estão recolhendo as 171 assinaturas necessárias para a instalação de uma CPI.

Até ontem à noite, nenhum pedido havia sido protocolado na Câmara, mas o deputado de primeiro mandato Weliton Prado (PT-MG) disse que já tinha o número regimental para uma CPI que busca investigar desvio de dinheiro do DPVAT, o seguro de danos pessoais obrigatório pago em caso de acidentes de trânsito. Antes de formalizar o pedido de CPI, o deputado pretendia conversar com o seu partido.

O deputado Tiririca (PR-SP) foi um dos primeiros a assinar o pedido de CPI do colega mineiro. O parlamentar mais votado do País precisou comprovar na Justiça que sabia escrever para poder assumir uma cadeira na Câmara, em processo movido pelo Ministério Público.

Furnas. A CPI para investigar as denúncias de irregularidades em Furnas está fadada ao esquecimento. O pedido anunciado pelo deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA) ficou sem apoio de governistas e de oposição.

"Nós precisamos investigar os preços e os maus serviços prestados pelas operadoras", afirmou o deputado João Carlos Bacelar (PR-BA). Ele citou o caso de seu Estado, no qual um problema na central de uma das companhias vem prejudicando o acesso à internet, o uso de cartões de crédito, que precisam do sistema telefônico, e deixando a população sem telefone.

Desde que tomou posse, na terça-feira, Bacelar está recolhendo assinaturas para a CPI. Nenhum dos lados quer remexer na caixa preta da empresa estatal.

Deputados pretendem recolher assinaturas para instalar uma CPI para investigar o consumo excessivo de bebida alcoólica, desastres naturais e para apurar supostas irregularidades no sistema de telefonia no País.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), demonstrou que não está satisfeito com a estratégia de abarrotar a lista de CPIs defendida por parte dos petistas. Na próxima terça-feira, ele vai pedir aos líderes aliados que parem com essa corrida em busca de assinaturas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.