Petrobras não tem prazo para resgatar corpos

A Petrobras não tem prazo para resgatar os corpos de cinco pessoas mortas na queda de um helicóptero de serviço ocorrida sábado à tarde, no Campo Marlin, na Bacia de Campos, no litoral norte do Estado. Segundo nota da estatal, os trabalhos de resgate começaram ontem de manhã, com o navio Seaway Condor, helicópteros e barcos de apoio, mas como a aeronave está no fundo do mar, a 820 metros de profundidade, ainda se estuda a melhor forma de resgatá-la. Ainda de acordo com a nota, o trabalho é acompanhado pela Marinha, Aeronáutica, pela empresa proprietária do helicóptero, a BHS, e por seu fabricante, a Sikorsky. O presidente do Sindicato dos Petroleitos, Francisco Carvalho, explicou que nessa profundidade, o içamento tem que ser lento para não danificar a aeronave.No acidente, morreram dois funcionários terceirizados da estatal, Juliano Alves da Silva, da Maicon, que mora em Barra do Piraí; Kenneth Ward, da Stoult OffShore, cidadão inglês que mora na Escócia; um empregado da Petrobrás, o engenheiro César Marques de Oliveira, residente no Rio; o piloto, Cláudio Belloni, e o co-piloto, Marcos Miranda de Souza, ambos de São Paulo. Segundo a BHS, Belloni estava há três anos na empresa, tinha 700 horas de vôo e este foi o primeiro acidente ocorrido com uma das 16 aeronaves da empresa, em 11 anos de atuação, sete dos quais para a Petrobras. O helicóptero, que tinha capacidade para 12 passageiros, bateu no mastro do navio Toisa Marine, quando se preparava para aterrissar no heliporto da embarcação. A empresa presta assistência às famílias das vítimas, mas só parentes do piloto, Cláudio Belloni, foram para Macaé, município onde fica a sede da estatal no norte do Estado. Segundo informações da empresa, Juliano Alves da Silva estava em seu primeiro embarque. O helicóptero havia saído do Farol de São Tomé pela manhã e fazia transbordo (transporte de pessoas e material entre as plataformas e outras embarcações de serviço). As causas do acidente ainda não foram determinadas. Segundo a BHS, só depois de seu resgate será possível saber o que ocorreu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.