PF abre inquérito para apurar acidente na Baía de Guanabara

A Polícia Federal terá acesso na segunda-feira a toda perícia técnica realizada pela Marinha sobre o acidente envolvendo o barco Costa Azul, que naufragou na Baía de Guanabara depois de colidir com o navio cargueiro Roko, na terça-feira. A PF instaurou inquérito neste sábado (21) para uma investigação criminal sobre as causas da colisão. Oito dos 12 mergulhadores que estavam na embarcação que afundou morreram no acidente."Precisamos ter em mãos o que foi produzido de prova técnica pela Marinha e isso deve chegar em nossas mãos na segunda-feira", afirmou o delegado Carlos Pereira, da Delegacia da PF de Niterói. Segundo ele, a Capitania dos Portos abriu inquérito administrativo sobre o ocorrido, e tem 90 dias para concluir.A Polícia Federal terá acesso imediato ao que já foi apurado pela Marinha, e tornará a entrevistar as pessoas envolvidas no acidente. "Na segunda-feira vamos fazer uma inspeção no navio cargueiro, e na terça, pela manhã, vamos ouvir o comandante do navio, o imediato, o oficial de náutica e oficial de máquinas", disse. A PF tem prazo inicial de 30 dias para a conclusão do inquérito, com possibilidade de prorrogação.Hoje, uma equipe da Capitania dos Portos do Rio esteve na região do acidente, no canal de acesso à Baía de Guanabara, para avaliar a possibilidade de içar a traineira Costa Azul, que naufragou numa profundidade de 37 metros. Mergulhadores analisavam a melhor forma de fazer o barco flutuar. No entanto, não ainda não se sabe quando será possível a sua retirada do fundo do mar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.