PF ajudará na investigação de seqüestros

O ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, informou que a Polícia Federal (PF) terá uma ação mais coordenada com os Estados no combate aos seqüestros. "É preciso uma ação mais inteligente e coordenada. A Polícia Federal pode colaborar com as polícias estaduais de forma mais sistemática, principalmente nas áreas de inteligência e informação", afirmou. Segundo Nunes Ferreira, muitos seqüestros são cometidos por redes que atuam em mais de um Estado e, por isso, a PF pode ter um papel importante na elucidação dos crimes.Aloysio Nunes Ferreira negou omissão do Ministério da Justiça em relação às denúncias do PT apresentadas, no dia seis de dezembro passado, no relatório "Violência Política Contra Membros do Partido dos Trabalhadores", que aponta uma série de informações sobre homicídios, atentados, ameaças de morte e outros atos violência contra dirigentes e militantes do partido. O ministro disse que logo após ter recebido o dossiê das mãos do presidente do PT, José Dirceu, determinou ao superintendente da PF, Agílio Monteiro Filho, que investigasse em todos os Estados os casos apontados no relatório para averiguar se haveria conotação política nos crimes. "Não houve omissão", defendeu-se o ministro. Segundo Nunes Ferreira, a investigação da PF não está ainda totalmente concluída. O levantamento feito no Nordeste, que já terminou, mostrou que os casos relacionados não tinham motivação de caráter político. O ministro da Justiça defendeu um amplo "diálogo" nacional entre o governo federal, Estados, municípios, partidos, polícias e entidades ligadas ao combate da violência, para tornar mais eficaz as políticas públicas relacionadas ao crime organizado. "É uma forma de trocar sugestões e propostas para aperfeiçoar a legislação, a estratégia de combate e recolher experiências internacionais?, disse. "A morte do prefeito de Santo André vai exacerbar a indignação nacional e levar a mudanças", acredita. O ministro disse que conversou pelo telefone com José Dirceu e já recebeu sugestões. Os dois devem se reunir ainda esta semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.