PF aperta cerco contra empresários de ônibus

A Polícia Federal (PF) já está fechando o cerco em torno dos empresários suspeitos de envolvimento com sindicalistas, acusados de fazerem greve a mando de patrões e receberem propina. A PF, que investiga o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo, informou nesta terça-feira que já está intimando os patrões a prestar depoimento.Apesar de não revelar quantos empresários estão sendo chamados a depor, a PF terá de ouvir representantes de, pelo menos, oito empresas de ônibus suspeitas de irregularidades e empresários ligados aos 17 sindicalistas presos."Todos, inclusive os empresários, estão sendo ouvidos pela Polícia Federal", disse nesta terça-feira o delegado Antônio Wagner Castilho. O presidente do sindicato patronal (Transurb), Sérgio Pavani, não foi encontrado para comentar o fato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.