PF apreende de 58 mil comprimidos de ecstasy em Natal (RN)

Depois de três meses de investigações, a Superintendência da Polícia Federal no Rio Grande do Norte conseguiu efetuar a apreensão de 58 mil comprimidos de ecstasy e duas cartelas de LSD, avaliados em R$ 3 milhões.A carga foi trazida da Holanda pelo empresário Iawan Mohamed Gaard Gulzar, que desembarcou em Natal ontem, às 19h30, no Aeroporto Augusto Severo, de um vôo charter proveniente da Holanda. Três horas depois, ele, o arquiteto belga Marcel Mathylda Van Den Berg, 49 anos, e os desempregados paraenses Antonio Ferreira de Sales, e Reginaldo Cordeiro, estavam presos.A ação dos federais culminou com a prisão do quarteto às 22h30 no Hotel Parque do Sol, em Parnamirim, a três quilômetros do aeroporto. A operação foi comandada pelo delegado de repressão a entorpecente da PF, no Rio Grande do Norte, William Marcel Murad, com apoio de policiais federais do Pará.Iawan trouxe a carga de 11 quilos de drogas acondicionada em sacos plásticos dentro de caixas de sapato e armazenadas em uma mala. Ele chegou a Natal num vôo da empresa Air Holand. Murad disse que a Polícia Federal tinha a informação de que uma grande carga de ecstasy poderia chegar à cidade a qualquer momento. O belga e o holandês moram em Belém há vários anos, sendo que Iawan é casado com uma brasileira e tem dois filhos. NervosismoO nervosismo do holandês no saguão do aeroporto chamou a atenção dos policiais. Após desembarcar no aeroporto, ele foi ao Hotel Parque do Sol e meia hora depois retornou ao aeroporto Augusto Severo, onde encontrou-se com Marcel e os dois paraenses.A PF também apreendeu um veículo Audi A3, que serviria para transportar a droga até Belém. No mercado negro cada comprimido de ecstasy tem um preço que varia entre R$ 50,00 e R$ 80,00. Os quatro acusados de tráfico estão presos na carceragem da Polícia Federal na zona oeste de Natal. Eles aguardam a abertura de vagas no presídio provisório Raimundo Nonato, na zona norte da capital.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2004 | 16h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.