PF apreende maconha da quadrilha de Beira-Mar

A Polícia Federal apreendeu na Via Dutra, na noite desta quarta-feira, um caminhão com 7,83 toneladas de maconha, pertencente à quadrilha do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. O carregamento estava sendo levado para a Favela Beira-Mar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Duas pessoas foram presas.Valdemir Martins Rosa, de 25 anos, dirigia o caminhão, que tinha placa de Maringá (PR) e estava estacionado no Km zero da Via Dutra, na altura de Jardim América, quando foi encontrado pelos agentes. Ele mora em Mato Grosso e estava hospedado em Caxias, num hotel próximo à favela Beira-Mar.O outro preso foi Risonildo da Silva, de 35, encarregado de receber a maconha. O caminhão era frigorífico e, segundo a nota fiscal apresentada pelo motorista, deveria estar transportando carne a ser entregue num supermercado da cidade de São João de Meriti, também na Baixada Fluminense.A apreensão foi feita por uma equipe de quinze agentes e um delegado da Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes da PF, que tem como objetivo coibir a entrada de armas e drogas no Estado.Segundo o superintendente da PF no Rio, Marcelo Itagiba, os agentes apreenderam durante o ano passado 668 quilos de cocaína e 15 toneladas de maconha. Em 2001, a PF recuperou 12,5 toneladas também do bando de Beira-Mar. Junto com a droga, foram apreendidas armas.O Rio viveu mais um dia de violência nesta quinta-feira quando as Forças Armadas já se preparavam para deixar as ruas. De manhã, no morro do Dendê, na Ilha do Governador, na zona norte do Rio, três pessoas morreram e quatro foram presas numa operação com 106 homens da Polícia Militar. Eles apreenderam no local duas pistolas, um revólver calibre 38 e uma granada. A polícia informou que a ação foi ?de rotina?.Durante a madrugada, havia ocorrido tiroteio entre policiais militares e traficantes no Morro do Adeus, na zona norte. O confronto assustou quem passava pela Linha Amarela. Às 7 horas, Vanilda Barbosa Gomes, de 44 anos, levou um tiro na coxa direita durante assalto a uma banca de jornal, na Tijuca, zona norte, um dos bairros cobertos pelas Forças Armadas. Vanilda trabalhava na farmácia que funciona em frente à banca e esperava a loja abrir quando o jornaleiro e o filho dele foram rendidos por dois homens armados. Eles fugiram levando dinheiro e cartões telefônicos para celular. Vanilda passa bem.À tarde, foi enterrado o corpo de Alexandre Chagas Iglesias, de 44 anos, executado a tiros durante tentativa de assalto dentro do túnel do Joá, entre os bairros de São Conrado e Barra da Tijuca, nesta quarta-feira à noite. A irmã dele, Fernanda Chagas Iglesias Ribeiro, de 43 anos, estava inconformada e criticou o Estado. ?O Estado perdeu o controle. A vida do meu irmão poderia ter sido poupada.?O inspetor de Polícia Civil Leonardo Pimentel Maciel, que trabalha na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Niterói, Grande Rio, matou a tiros um menor, aparentemente de 13 anos, que tentava roubar seu carro em Ipanema, zona sul, de madrugada. Ele estava com uma pistola de brinquedo.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.