PF apura denúncia de que máfia estaria achacando chineses

O secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, afirmou ontem que pediu à Polícia Federal (PF) a abertura de inquérito para apurar a ação de uma "máfia chinesa", que estaria intermediando a regularização de estrangeiros, principalmente em São Paulo.

Felipe Werneck, RIO, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2009 | 00h00

"As colônias peruana e boliviana, entre outras, estão agindo de forma exemplar. Mas há uma máfia chinesa que está explorando estrangeiros e tentando comercializar uma questão humanitária. Já enviamos casos à PF para investigação", afirmou Tuma.

Segundo ele, em procedimentos que poderiam ser feitos sem a necessidade de intermediários há cobrança de até R$ 300 dos estrangeiros em situação irregular. "Isso ocorre sob o falso pretexto de facilitar o processo, mas é simplesmente para preencher um formulário."

CAPACITAÇÃO

O secretário disse que, após as denúncias, procurou a prefeitura para formar centros de capacitação e melhorar a orientação aos estrangeiros habilitados. "O que dá amargura é pensar que são pessoas ligadas à própria comunidade chinesa que estão fazendo isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.