PF barra entrada de 50 bolivianos pela Ponte da Amizade

Ônibus seguia para SP e foi abordado em Foz de Iguaçu; Polícia suspeita que documentação seria falsa

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

10 de março de 2008 | 20h38

A Polícia Federal não permitiu que 50 bolivianos entrassem no Brasil, no fim da tarde de domingo, 9, sob alegação de que portavam documentos falsificados. O ônibus que os conduzia foi abordado pela Polícia Rodoviária Federal na saída de Foz do Iguaçu. Eles seguiam para São Paulo, onde pretendiam trabalhar. Veja também:PF aumentará rigor na fronteira com Argentina e Paraguai  Saiba como agir se for barrado em aeroporto Brasil deve adotar medidas contra espanhóis?  Numa primeira vistoria realizada pelos policiais levantou-se a suspeita de que a documentação que possuíam seria falsa. O motorista, que é brasileiro, foi preso. Levados de volta à Ponte da Amizade, que liga o Paraguai ao Brasil, os peritos confirmaram a falsificação da tarjeta migratória, um cartão de entrada e saída do Paraguai. A PF providenciou, então, a deportação de 39 bolivianos e a notificação de outros 11 que ainda não completaram 18 anos e que acompanhavam os pais, para que deixassem o País.  O nome do motorista não foi divulgado pela polícia. Ele está preso na sede da PF e responderá pelos crimes de falsificação de documento, falsificação ideológica, uso de documento falso e introdução de estrangeiros no País. O ônibus ficou retido no pátio da PF. No sábado, 7, a polícia já tinha impedido a entrada de outros quatro bolivianos na Ponte da Amizade, por não possuírem os documentos legais. O Núcleo de Migração da Polícia Federal, em Foz do Iguaçu, informou, por meio da assessoria de imprensa, que pretende intensificar a fiscalização na fronteira, com a exigência da carteira de identidade, documento obrigatório para todas as pessoas que querem entrar no Brasil.  Os menores de 18 anos precisam estar acompanhados de um responsável, do contrário também têm a entrada impedida. A medida faz parte do Sistema de Tráfego Internacional (STI) que deve ser implantado de forma gradual. Segundo a assessoria de imprensa, algumas pessoas já são barradas se não portarem os documentos obrigatórios, mas o serviço de conscientização tem sido privilegiado.  A PF contratou uma empresa para realizar o trabalho burocrático de inserir dados dentro do sistema. Pela Ponte da Amizade passam diariamente cerca de 25 mil pessoas. Nesta segunda-feira, 10, o ministro da Justiça, Tarso Genro, confirmou, no Supremo Tribunal Federal (STF) que o Brasil deve tratar com mais rigor os estrangeiros que viajam ao País depois do incidente envolvendo brasileiros na Espanha.  Na sexta-feira e no domingo, a Polícia Federal da Bahia deportou turistas espanhóis e um italiano.  Segundo a PF, as razões principais para o repatriamento foram a falta de recursos para permanecerem no País como turistas e também falta de alojamentos.

Tudo o que sabemos sobre:
bolivianosPonte da AmizadeBrasilPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.