PF busca quadrilha que fornecia drogas ao Complexo do Alemão

Droga era comprada na fronteira com o Paraguai e transportada até o Rio; agentes buscam 18 em 3 Estados

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

14 de maio de 2009 | 11h06

Policiais federais cumprem 18 mandados de prisão temporária e 33 de busca e apreensão contra uma quadrilha acusada de tráfico de drogas. As prisões fazem parte da Operação Riqueza, desencadeada na manhã desta quinta-feira, 14, em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. A droga era comprada na fronteira do Paraguai e transportada até o Rio, onde era vendida no Complexo do Alemão. O esquema seria o elo entre duas facções criminosas do Rio e de São Paulo. 

 

Segundo a PF, 13 mandados de prisão serão cumpridos na Grande São Paulo e cinco em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Os 33 mandados de busca e apreensão, serão cumpridos em São Paulo (14), 5 em Santo André, 3 em Mauá, 1 em Santa Izabel, 5 em Belo Horizonte e 5 em Campo Grande.

 

Além dos mandos de prisão e de busca e apreensão, 39 contas bancárias foram bloqueadas, sendo 14 de pessoas jurídicas e 25 de pessoas físicas. A quadrilha transportava e vendia cocaína e haxixe. 

 

Durante as investigações, 12 pessoas foram presas. Além disso, foram apreendidos 46 quilos de cocaína, 37 quilos de pasta base, 17 quilos de haxixe, 225 quilos de maconha, diversos apetrechos para refino de droga, bem como 4 quilos de explosivos do tipo C4, 2 pistolas calibre 380, 1 pistola calibre 9mm, 1 revólver calibre 357, 1 revólver calibre 38, farta munição e o desmantelamento de 3 laboratórios de refino de cocaína.

 

A droga, de acordo com a PF, era comprada em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai. De lá, era transportada em fundo falso de carros para a capital paulista e depois reembarcadas para o Rio de Janeiro, mais precisamente para o Complexo do Alemão, onde eram comercializadas. O lucro da quadrilha era depositado em contas de "laranjas" e empresas de "fachada".

 

Texto ampliado às 14h22 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.