PF cita reciprocidade para mandar espanhol de volta no CE

Segundo a PF de Fortaleza, 60 estrangeiros foram repatriados porque não cumpriram exigências legais

Angela Lacerda e Paulo R. Zulino, O Estado de S. Paulo e estadao.com.br

12 Março 2008 | 14h13

Mais um espanhol que tentava desembarcar no Nordeste do País foi deportado, na noite de terça-feira, 11. Segundo a Polícia Federal, o turista não cumpria as regras e foi mandado de volta para casa. Uma equipe da TV Globo gravou o momento em que o inspetor da PF notificou o espanhol Gerald Llobert Llorene, de 31 anos, de que ele retornaria para o seu país.   VEJA TAMBÉM PF barra 30 estrangeiros em cinco dias   Saiba como agir se for barrado em aeroporto Policiais espanhóis chamaram brasileiros de 'cachorros', diz mãe   Brasil ameaça restringir entrada de espanhóis no País Brasil deve adotar medidas contra espanhóis?     O espanhol ainda tentou argumentar, disse que pretendia ficar 90 dias na praia de Jericoacoara, no litoral oeste cearense. Com ajuda de um outro cidadão espanhol, afirmou que ao chegar a Jericoacoara iria procurar uma pousada. Mas não houve jeito. "O senhor vai voltar ao seu país pelos mesmos motivos que os brasileiros estão voltando da Espanha", sustentou o agente. Llorene voltou no mesmo avião que veio.   O delegado federal Thomas Wlassak, titular do setor de migração da Polícia Federal no Ceará, explicou que o espanhol não tinha endereço fixo, reserva de hotel e também não tinha dinheiro suficiente para o tempo que pretendia ficar. "Não nos interessa receber um turista com essas características no Brasil", afirmou o delegado. A superintendência da PF em Fortaleza chegou a marcar para a manhã desta quarta-feira, 12, uma coletiva de imprensa para falar sobre o episódio. Mas foi orientada pela superintendência de Brasília a não mais se pronunciar sobre o assunto.   A PF informou que o agente responsável pelo controle de imigração constatou que o espanhol não reunia as condições necessárias para permanência no País. "Apesar de possuir cartão de crédito internacional, não apresentou dinheiro em espécie nem declarou comprovante de hospedagem", diz a nota. O turismo sexual e o tráfico de drogas também serviram de argumento para justificar o maior rigor no procedimento. A PF negou haver discriminação.   "O que a Polícia Federal tem procurado fazer é selecionar e adotar critérios mais rígidos para permitir a entrada de turistas e viajantes no Brasil, no intuito de preservar e estimular um turismo mais sadio. É conhecido o problema local de turismo sexual, além do crescente consumo de drogas. O controle imigratório tem exatamente este objetivo, e é feito na estrita legalidade, sem discriminação de turistas em função de sua origem". Este ano, segundo levantamento da PF, 60 estrangeiros foram repatriados, porque não cumpriram as exigências legais para entrar no Brasil por Fortaleza.   De acordo com o delegado Thomas Wlassak, Portugal e Itália são os países de origem que trazem o maior número de turistas com problemas de migração. Muitos ultrapassam o período de permanência permitido pelo visto ou chegam com documentação incompleta. Em 2007, 124 estrangeiros foram obrigados a deixar o Ceará por esses e outros motivos. Atualmente, existem 10.650 estrangeiros residindo legalmente no Estado. Mas o número de ilegais é muito maior, admite Wlassak.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.