PF coleta informações para possível identificação de corpos

Próteses, tatuagens, marca-passos e a roupa que usavam no dia do voo podem ser úteis para confrontação

Talita Figueiredo, de O Estado de S. Paulo,

05 de junho de 2009 | 12h36

A Polícia Federal (PF) começa nesta sexta-feira, 5, a coletar informações e material genético para uma possível identificação caso sejam encontrados corpos durante as buscas realizadas no Oceano Atlântico.

Segundo o advogado Marco Túlio Moreno Marques, filho do casal José Gregório e Maria Tereza, que estavam no voo, a PF quer saber se as pessoas tinham próteses, tatuagens, marca-passos e a roupa que usavam no dia do voo.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

lista Air France divulga lista de brasileiros no Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

linkDestroços e óleo recolhidos não são do Airbus, diz Aeronáutica

 

Marques relatou que por pouco não houve uma briga na manhã desta sexta-feira na sala onde estão reunidos parentes das vítimas no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Segundo o advogado muitos parentes estão exaltados com o irmão de uma passageira, Maarten van Sluys, que estaria se considerando representante das vítimas.

 

A presidente da Associação Brasileira de Parentes de Vítimas de Acidentes Aéreos, Sandra Assali, trazida por Sluys, não teve acesso à sala reservada e o encontro com parentes não foi autorizado. Marques afirmou que não há comissão formada e criticou a divulgação de fotos da sala onde os parentes se reúnem e de telefones dos parentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.