PF desmantela quadrilha de roubo de cargas

Nove pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Federal em uma operação de desmantelamento de uma quadrilha de roubo de carga, que agia a partir de Campinas. A ação ocorreu simultaneamente em 19 cidades do interior de São Paulo, Tocantins, Goiás e Paraná, anunciou em Campinas o chefe de Comunicação da corporação, delegado Reinaldo de Almeida César. Segundo César, a operação envolveu 200 policiais federais e 40 viaturas. Ele comentou que a PF tinha 42 mandados de busca e apreensão para serem cumpridos. Entre os presos está um dos líderes da quadrilha, Mário Sérgio Rosales, detido em Americana. A abordagem das vítimas de roubo de cargas, contou o delegado, ocorria nas rodovias que cercam Campinas. Ele explicou que as investigações sobre a quadrilha tiveram início há três meses. A partir de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça, a PF conseguiu identificar 40 pessoas que integram o bando, além de flagrar conversas sobre a estrutura hierárquica do grupo e a divisão de tarefas. A organização criminosa, conforme o delegado, agia mais intensamente em crimes de roubo de carga, mas "eventualmente" praticava assalto a bancos, tráfico de drogas, sonegação fiscal, extorsão, receptação, corrupção ativa e passiva. Durante a operação, a Polícia Federal apreendeu mercadorias perecíveis, materiais eletrônicos e de informática. O balanço das mercadorias apreendidas ainda não havia sido fechado no início da noite. Mas César adiantou que foram feitas apreensões no supermercado By Oshino, de Santos, no Mundial, de Jundiaí, e no Araújo, de Mogi Mirim.Também foram apreendidos 400 scanners de computador em uma chácara em Limeira, que servia como depósito de mercadoria roubada e esconderijo de membros da quadrilha. Houve ainda apreensões em Itapeva, Americana e Jaçanã, segundo o delegado. Ele explicou que as investigações continuarão e que a PF continua na captura de outros membros da organização. César descartou, a princípio, conexão da quadrilha com o grupo investigado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) há quatro anos, que acusou William Sozza como líder de uma quadrilha de tráfico de drogas e roubo de cargas na região de Campinas. "Não há relação, mas há cruzamento de informações", comentou. Sozza está detido no Maranhão, onde é acusado de homicídio.Também foram presos Osvaldo Rizzo Júnior, Celso Ricardo Simplício da Silva, Melissa Daniela Domingues, dona da chácara em Limeira, os advogados Gilberto Cristiano de Lima e Fernando César Rodrigues, Valdecy Gomes da Silva e o despachante Edward Wilson Dainton.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.