PF desmonta esquema que fraudava atestados nas prisões de MG

Detentos simulavam doenças graves com auxílio de laudos médicos falsificados para obter benefícios judiciais

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

30 de novembro de 2009 | 11h15

A Polícia Federal em Uberlândia, Minas Gerais, desencadeou nesta segunda-feira, 30, a Operação Filho Pródigo, com objetivo de desmantelar esquema criminoso no sistema penitenciário. A operação foi articulada com o serviço de inteligência do sistema prisional e pela Polícia Militar do Estado.

 

Os detentos, de acordo com a PF, usavam atestados médicos falsos para levar a erro autoridades judiciais e penitenciarias, simulando moléstias graves com objetivo de obter benefícios judiciais. A operação cumpre oito mandados de prisão e seis de busca e apreensão. Ainda não há informações sobre o número de presos.

 

As investigações constataram que atestados médicos emitidos por A.F.R.J. eram baseados em laudos de exames falsificados. Em outros casos apurou-se que atestados médico eram emitidos sem os devidos exames.

 

Entre os presos beneficiados por decisões judiciais baseadas nesses atestados, alguns foram identificados como sendo de alta periculosidade, incluindo-se diversos assaltantes e traficantes.

Tudo o que sabemos sobre:
sistema penitenciárioMinas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.