PF desmonta quadrilha acusada de fabricar armas no Rio

A Polícia Federal desmontou na noite de terça-feira, 22, uma quadrilha acusada de fabricar, armazenar, comercializar e distribuir armas de fogo. Três homens foram presos em flagrante. A fábrica clandestina funcionava numa serralheria, em Jacarepaguá (zona oeste), e abastecia o tráfico nas comunidades de Antares, Grota, Complexo da Maré e Cidade de Deus, todas dominadas pelo Comando Vermelho (CV).A investigação para chegar até a fábrica começou em janeiro. Na ocasião, a Polícia Federal apreendeu na Via Dutra duas submetralhadoras vindas de Ribeirão Preto para abastecer favelas do Rio. Para o delegado José Mariano Beltrano, do Setor de Inteligência da PF, essa apreensão aumentou a suspeita de ligação do Primeiro Comando da Capital (PCC) com o CV, que compraria armas da facção paulista. "Eu digo que tem (essa ligação). Há dez anos, o PCC começou a fabricar armas em Ribeirão Preto e essa prática veio depois para o Rio", declarou Beltrano.Os agentes encontraram na fábrica clandestina cinco submetralhadoras, um fuzil, dezenas de peças e moldes para fabricação de armas, além de dinheiro (R$ 2.800), três latas de tintas, munição e um caderno com anotação de contabilidade. Proprietário da serralheria, o torneiro mecânico Beroaldo Pádua de Araújo, de 57 anos, trabalhava por encomenda e por varejo. "Ele tinha um estoque com todas as peças de armas", disse o delegado. Luís Eduardo da Silva era o responsável pela comercialização das armas nas favelas. Já o taxista Paulo Jorge Vieira dos Santos, de 51 anos, fazia o transporte do armamento em um fundo falso no banco traseiro do veículo. A PF está investigando a atuação de outros armeiros no interior de São Paulo e no Mato Grosso do Sul. A PF vai trocar informações com a Polícia Civil para saber se a arma usada para matar o desembargador José Maria de Mello Porto, do Tribunal Regional do Trabalho do Rio, foi fabricada pela quadrilha presa ontem. Mello Porto foi morto a tiros na Avenida Brasil, no dia 3 de agosto, em uma suposta tentativa de assalto.Ampliadas às 18h12

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.