PF deve entregar até quinta relatório sobre acidente da Gol

O relatório que a Polícia Federal (PF) está concluindo para entregar à Justiça até quinta-feira vai deixar claro que as torres de controle de tráfego aéreo de São José dos Campos e de Brasília tiveram importante parcela de responsabilidade no choque entre o Boeing da Gol e o jato Legacy, no dia 29 de setembro, no qual morreram 154 pessoas. Dos 13 controladores de serviço no dia acidente, ouvidos pela PF há duas semanas, pelo menos três - um de São José e dois de Brasília - estão com rol de culpa formado. Outros dois estão em situação delicada e correm também o risco de serem responsabilizados.Mas a PF não vai tratar de indiciamentos agora porque os controladores são militares que estavam submetidos ao regulamento militar, dentro de instalações militares, o que gera um conflito de competência sobre que instância tem poder para julgar o caso. No relatório, a ser entregue à Justiça Federal de Sinop, no Mato Grosso, onde o inquérito foi aberto, o delegado Ramon da Silva Almeida vai pedir ao juiz mais prazo para prosseguir as investigações e que ele resolva o conflito de competência. Se a competência for da justiça militar, os autos do inquérito serão remetidos para lá.Indiciados Até o momento, foram indiciados os pilotos do Legacy, os americanos Joe Lepore e Jan Paladino, enquadrados no Artigo 261 do Código Penal, sob a acusação de terem colocado em risco a segurança do tráfego aéreo, por não terem seguido o plano de vôo, nem adotado normas de emergência capazes de evitar o acidente. As investigações da PF mostram ainda que equipamentos do Legacy, como o transponder, estavam inoperantes na hora do choque. Mas revelam, porém, que o maior grau de culpa cabe aos brasileiros, devido a uma sucessão de erros cometidos desde que o jato decolou em São José. O relatório vai descrever também as falhas detectadas no sistema de controle do tráfego aéreo, inclusive a suspeita de uma zona cega na divisa dos Estados do Pará com o Mato Grosso. Mas remeterá essa parte para que a Força Aérea Brasileira (FAB) realize as análises técnicas e tome providências para sanar o problema.O documento dedicará atenção aos erros cometidos no Centro de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta-1), de Brasília. O Legacy sobrevoou a cidade a 37 mil pés e, no período em que esteve sob monitoramento do centro de controle de Brasília (Cindacta-1), não recebeu nenhum aviso de que deveria baixar de altitude na rota para Manaus. Assim, o jato permaneceu na mesma altitude do Boeing até o choque, perto das 17 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.