PF e Anatel fecham central telefônica clandestina

Policiais federais e fiscais da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) fecharam uma central telefônica internacional clandestina, que funcionava nas intalações de uma antiga fábrica de tecidos, no Rio Comprido, zona norte do Rio. Foram apreendidos sofisticados equipamentos de telecomunicações, avaliados em R$ 1 milhão. O responsável pela empresa, André Saad, foi detido e prestou depoimento. Ele pode ser condenado a quatro anos de prisão.No galpão da antiga fábrica de tecidos funcionavam duas empresas, a Diamont Consultoria e Assessoria Empresarial e a Dial Tec Consultoria Técnicas. Elas se apresentavam no mercado como provedores de Internet e chamaram a atenção da Anatel por oferecer ligações internacionais a preços abaixo do valor de mercado.Um mandado de busca e apreensão, concedido pela 4.ª Vara Criminal da Justiça Federal, permitiu a ação dos agentes federais e dos fiscais da Anatel, na manhã desta quinta-feira - somente hoje a operação foi divulgada. De acordo com o delegado federal Paulo Massareti, a central clandestina representava prejuízo de R$ 800 mil mensais para as empresas de telefonia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.