PF estuda criar disque-denúncia no Rio

A Polícia Federal no Rio de Janeiro estuda a criação de um serviço telefônico para receber denúncias. A Associação Rio Contra o Crime seria responsável pelo gerenciamento do serviço, que poderá funcionar em moldes parecidos ao do disque-denúncia da secretaria estadual de Segurança Pública, a cargo do Movimento Rio de Combate ao Crime (uma dissidência da associação).A proposta é que os autores das denúncias não precisem revelar as identidades e recebam recompensas por informações que levem à prisão de criminosos. Desde o lançamento no Rio, em agosto de 1995, o disque-denúncia, que funciona 24 horas, já recebeu mais de 471 mil ligações. No primeiro semestre de 2001, foram 47.408 denúncias. Os casos mais denunciados são de tráfico e consumo de drogas (35%), seguido por roubo e furto de veículo (13,32%) e roubo e furto em geral (5%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.