PF fará acareação na terça com Valdebran e Gedimar

A Polícia Federal e o Ministério Público querem esclarecer o mais rápido possível a negociação de documentos em poder do empresário Luiz Antônio Vedoin envolvendo políticos tucanos e petistas. A acareação entre Valdebran Padilha da Silva, filiado ao PT do Mato Grosso, e Gedimar Pereira Passos, advogado e ex-policial federal, será na terça-feira, na sede da PF, em Cuiabá. Os dois foram presos na sexta-feira, em um hotel em São Paulo, com R$ 1,9 milhão em dólares e reais. O suposto dossiê contra o candidato ao governo de São Paulo, José Serra, teria sido produzido pelos Vedoins.Com a acareação, a PF e o Ministério Público querem saber quem seriam os compradores de imagens que envolveriam políticos com a compra superfaturada de ambulâncias.O delegado da Polícia Federal Diógenes Curado Filho e o procurador da República em Mato Grosso, Mário Lúcio Avelar, decidiram pela transferência imediata de Valdebran e Gedimar para esclarece o dossiê, composto por uma fita de vídeo, um DVD e seis fotos.Os documentos mostram os candidatos à Presidência e aogoverno de São, Geraldo Alckmin e José Serra, respectivamente, o senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT), o ex-governador Dante de Oliveira, os deputados federais Lino Rossi (PP-MT), Pedro Henry (PP-MT), e Thelma de Oliveira (PSDB-MT).As imagens, de acordo com a Polícia Federal, teriam sido feitas em 2001 na empresa Planam, acusada de vender as ambulâncias superfaturadas, após aprovação de emendas dos deputados. Nos 23 minutos do DVD, as autoridades fazem discursos num ato de entrega de 40 ambulâncias para municípios de Mato Grosso.Freud Godoy x Gedimar PassosA acareação entre o assessor especial da secretaria particular da Presidência Freud Godoy e o advogado Gedimar Pereira Passos, nesta segunda-feira, não trouxe novas acusações, nem confirmou as que já existiam. Gedimar acusou Freud Godoy como a pessoa responsável pela compra de dossiê sobre o suposto envolvimento de tucanos na máfia das ambulâncias.Freud reiterou não ter nenhuma relação com os fatos e tampouco ter mantido contado com Gedimar para tratar desse assunto. Ele pediu exoneração do cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.