PF faz ação contra acusados de comprar uísque com verba de merenda em AL

Polícia cumpre 16 mandados de prisão temporária contra funcionários de Maceió e mais 12 municípios do Estado

Ricardo Rodrigues, Especial para o Estado de S. Paulo

30 Março 2011 | 11h26

SÃO PAULO - Uma força tarefa composta pela Polícia Federal (PF), Controladoria Geral da União e Procuradoria da República deflagrou, nesta quarta-feira, 30, em Alagoas, a 'Operação Mascotch', que apura o desvio de recursos federais, destinados à aquisição de merenda escolar, para compras de produtos de uso pessoal, como uísque 12 anos, ração para cachorro e caixas de vinho. Entre os acusados com mandado de prisão expedido estão secretários municipais, mulheres de prefeitos, uma ex-prefeita e uma vice-prefeita.

 

De acordo com a superintendência da PF em Alagoas, estão sendo cumpridos 16 mandados de prisão temporária e 28 mandados de busca e apreensão em Maceió e em mais doze municípios alagoanos. Buscas estão sendo realizadas nas sedes das prefeituras dos municípios de Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Belo Monte e Estrela de Alagoas.

 

Segundo a assessoria de comunicação da PF, a ação é um desdobramento da 'Operação Caetés' - deflagrada em outubro de 2010 - que investigou um esquema de desvio de recursos para alimentação escolar, envolvendo gestores públicos e comerciantes.

 

O trabalho de investigação envolve 28 equipes de policiais federais e auditores da CGU, contando com a participação de servidores de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba e Sergipe.

 

De acordo com a PF, os presos serão levados para a sede da superintendência da PF em Maceió, no bairro de Jaraguá, onde serão interrogados e ficarão à disposição da Justiça.

 

Além da capital alagoana, a operação ocorre nas cidades de: Arapiraca, Limoeiro de Anadia, Jacaré dos Homens, Quebrangulo, Feira Grande, Traipu, Lagoa da Canoa, Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Belo Monte e Estrela de Alagoas.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.