Polícia Federal
Polícia Federal

PF faz operação contra organização criminosa que atuava na fronteira do País

Bando utilizava helicópteros para transportar dinheiro e joias para pagamento de traficantes; há mandados de prisão, busca e de apreensão de bens em MS, PR, SP, GO e RN

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 11h04

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta segunda-feira, 25, em cinco Estados brasileiros, a Operação Laços de Família, para combater os crimes de tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro, cometidos por uma organização criminosa que atua com base na fronteira com o Paraguai. Cerca de 200 policiais federais participam da ação, que ocorre simultaneamente nos Estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, São Paulo, Goiás e Rio Grande do Norte.

A operação foi autorizada pela 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande, com expedição de 20 mandados de prisão preventiva, 2 mandados de prisão temporária, 35 mandados de busca e apreensão em residências e empresas, 136 mandados de sequestros de veículos terrestres, 7 apreensões de helicópteros, 5 apreensões de embarcações de luxo e 25 mandados de sequestro de imóveis. Além disso, também foi decretado o sequestro dos bens de 38 investigados, em todo o território nacional, inclusive em nome de suas empresas de fachada.

+++ Brasil e América Latina discutem formação de rede de combate a crime organizado na fronteira

Segundo a Polícia Federal, a ação leva o nome de Laços de Família porque os principais cabeças da organização criminosas eram de um mesmo grupo familiar e tinham estreita relação com o Primeiro Comando da Capital (PCC).

+++ Operação cumpre 26 mandados de prisão contra PCC em Sorocaba

De acordo com a PF, grandes carregamentos de droga eram remetidos da fronteira para várias regiões do Brasil, geralmente escondidos em caminhões e carretas com cargas aparentemente lícitas. Em contrapartida, os criminosos recebiam joias, veículos de luxo e dinheiro por meio de depósitos em contas bancárias de laranjas e de empresas de fachada, como pagamento das cargas criminosas. Também eram utilizados helicópteros para transportar joias e dinheiro usados como pagamento.

Durante a investigação, a PF já tinha conseguido apreender mais de R$ 317 mil em dinheiro, joias avaliadas em mais R$ 81 mil, duas pistolas, 27 toneladas de maconha, duas caminhonetes e 11 veículos de transporte de carga, além de prender em flagrante delito seis membros da organização investigada. As penas somadas dos crimes cometidos atingem aproximadamente 35 anos de prisão.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.