PF faz operação contra pornografia infantil em Minas

Computadores e materiais como DVDs e discos rígidos serão periciados

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

09 Agosto 2011 | 12h45

BELO HORIZONTE - A suspeita de divulgação de pedofilia na internet levou a Polícia Federal a executar na manhã desta terça-feira, 9, mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte e outros dois municípios da região metropolitana da capital mineira. Segundo a PF, a ação é um desdobramento de uma operação realizada ano passado que resultou na prisão de 22 pessoas em dez estados e no Distrito Federal.

 

Nesta terça-feira, segundo a assessoria da PF em Minas, foram apreendidos computadores e materiais como DVDs, discos rígidos e outros para armazenamento de dados. Ninguém foi preso, mas o material será periciado e, caso confirmada a existência de imagens pornográficas com crianças e adolescentes, os responsáveis podem ser indiciados por crimes cujas penas, somadas, ultrapassam 15 anos de prisão.

 

A Operação Anjo da Guarda, de acordo com a PF, é uma ação permanente da Delegacia de Segurança Institucional (Delinst) em Minas, criada como um desmembramento da Operação Tapete Persa, realizada em julho de 2010 em conjunto com a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol, do inglês International Criminal Police Organization) e a polícia alemã.

 

Na ocasião, 22 pessoas, incluindo um coronel da Polícia Militar, foram presas em flagrante acusadas de abuso sexual e pedofilia em 54 cidades brasileiras. Ao todo, a PF executou 81 mandados de busca e apreensão e, além de material com pornografia infantil e abuso de crianças - até de bebês -, encontrou também armas e drogas nas casas de suspeitos. A ação ocorreu após operação realizada um ano antes pela polícia alemã, que monitorou a troca de arquivos com as imagens de pedofilia entre internautas de todo o mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.