PF faz operação contra tráfico de mulheres em São Paulo

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, em São Paulo, a Operação Afrodite, que visa impedir o tráfico mulheres. Cerca de 100 policiais federais participam da ação e cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Juquitiba, na região metropolitana, e em Santo André. Policiais Rodoviários Federais dão apoio ao cumprimento das prisões.As investigações tiveram início há cerca de seis meses, através de denúncia. A partir daí, foi desvendado um grande esquema de aliciamento e tráfico de mulheres em nível nacional e internacional.Os criminosos eram contatados por clientes que forneciam o perfil desejado - tipo físico, idade, cor dos olhos e outros detalhes. Posteriormente, eles recebiam dos agenciadores, através de e-mail, um catálogo de fotos com as mulheres selecionadas.Durante as investigações, foi possível verificar que os "preços" de algumas mulheres, dependendo do destaque na mídia, chegavam à soma de R$ 100 mil. Havia também "pacotes" de 15 dias para enviar as mulheres para a Europa, com o preço variando entre 500 a 1,5 mil euros.Clientes nos Estados Unidos pagavam de US$ 2 mil a US$ 3 mil para usufruir desses "pacotes" por alguns dias. A líder da organização criminosa, por sua vez, se intitula como a maior cafetina do Brasil.Os presos vão responder pelos crimes previstos nos artigos 288, 230 e 231-A do Código Penal, que são formação de quadrilha, tráfico de mulheres, rufianismo e promover, intermediar e transportar pessoa para exercer prostituição. As penas variam de um a oito anos de reclusão.Os mandados foram expedidos pelo Juizado da 7ª Vara Criminal Federal de São Paulo. O nome da operação é uma referência à deusa grega Afrodite que simbolizava o amor, o sexo e a beleza. Suas sacerdotisas eram prostitutas sagradas, que representavam a deusa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.