PF faz operação em 6 Estados contra tráfico de drogas

Nove pessoas já foram presas; organização distribuia entorpecentes para países da União Européia

Solange Spigliatti, estadao.com.br

11 Abril 2008 | 09h20

A Polícia federal iniciou na manhã desta sexta-feira, 11, a Operação Muralha, com o objetivo de desarticular uma quadrilha composta por membros de diversas nacionalidades, voltada para o tráfico internacional de entorpecentes. A operação, feita em São Paulo (capital, Santos e Marília), Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará, Paraná e Santa Catarina, conta com 150 policiais federais, que irão cumprir 37 mandados de prisão e 29 de busca e apreensão. Nove pessoas já se encontram presas, segundo a PF.   A ação é feita com base em investigações que começaram há um ano e meio. Liderada do interior do presídio de Itaí, no interior de São Paulo, por um colombiano, preso pela PF no ano de 2002 na Operação Mar Aberto, a organização possuía estrutura empresarial, hierarquicamente dividida em 3 escalões, e composta por brasileiros, colombianos, bolivianos, peruanos, paraguaios, africanos e um chileno. De acordo com a PF, serão cumpridos 37 mandados de prisão e 29 de busca e apreensão - nove pessoas já estão presas.   A droga, segundo a PF, vinha da Bolívia, Colômbia, Peru e Paraguai e realizava conexões em vários estados brasileiros e tinha como destino países da União Européia, como Portugal, Espanha, Reino Unido, Holanda, França, Itália e Bélgica, além de países da África. A substância entorpecente direcionada ao mercado exterior tinha, como principal meio de transporte, navios estrangeiros que saíam de diversos portos brasileiros, principalmente do Porto de Santos.   De acordo com a PF, um dos escalões da organização criou uma empresa de fachada na área de viagens e turismo na cidade de Governador Valadares, em Minas, a fim de obter empréstimos em instituições financeiras para subsidiar as ações do tráfico. Os integrantes desse escalão serão indiciados pelos crimes de financiamento ou custeio ao tráfico e associação para financiamento ao tráfico com penas que, somadas, atingem 30 anos de reclusão.   A Operação Muralha é a etapa final após 18 meses de investigações, que já propiciou, além de 81 prisões em flagrante, a apreensão de cerca de 1 tonelada de cocaína; mais de 1 tonelada de maconha e US$ 56.000 dólares americanos, além de 110 traficantes presos em flagrante. 

Mais conteúdo sobre:
Operação Muralha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.