PF faz operação em 8 estados e no DF contra tráfico de animais silvestres

Aves vinham do Equador, do Peru e da Venezuela e eram contrabandeadas por criadores de canários que participavam de rinhas

02 Abril 2012 | 12h26

SÃO PAULO, 2 - A Polícia Federal desencadeou na manhã desta segunda-feira, 2, em oito estados e no Distrito Federal, a Operação Estalo. A ação, contra quadrilhas especializadas no tráfico de aves silvestres e exóticas, já prendeu ao menos uma pessoa preventivamente em Governador Valadares, em Minas Gerais.  Estão sendo cumpridos 62 mandados judiciais nos Estados de Pernambuco, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Ceará, Amazonas, Santa Catarina, Roraima e no Distrito Federal.

As aves vinham do Equador, Peru e Venezuela e eram contrabandeadas por criadores de canários que participavam de rinhas. Os animais adquiridos nesses países por cerca de R$ 12 eram vendidos clandestinamente no Brasil a partir de R$ 130, de acordo com a PF.

Nas rinhas, os canários eram avaliados de acordo com a habilidade apresentada e podiam custar até R$ 100 mil, segundo a PF. As apostas chegavam a R$ 50 mil.

Para introduzir as aves no país, a organização criminosa contava com o apoio de um policial civil. Durante as investigações, mais de 12 mil aves contrabandeadas pelas quadrilhas foram apreendidas em rodovias e aeroportos de diversos estados.

Entre os envolvidos, ao menos oito possuem cadastro no sistema do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Esses grupos chegaram a ser multados pelo órgão federal nos últimos dez anos em valor superior a R$ 30 milhões por diversas irregularidades, como transporte clandestino, comércio ilícito e manutenção em cativeiro de animais, segundo a PF.

Mais conteúdo sobre:
tráfico de animais rinhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.