PF fecha casa ilegal que negociava com pedras preciosas

A Polícia Federal apreendeu mais de 100 pedras, entre ametistas e águas marinhas, dois computadores e documentação, como relatórios bancários e contratos com garimpeiros, na Bolsa de Diamantes, em Juína (MT), durante Operação Mamoré. A casa de negociação de pedras preciosas funcionava há mais de 20 anos clandestinamente e era freqüentada por contrabandistas. O proprietário, Hermes Lourenço Bergamini, já responde a um inquérito na 6 ª Vara de Justiça de Cuiabá.A ação, que contou com 20 policiais federais e duas aeronaves, sendo uma delas da Força Aérea Brasileira (FAB), faz parte da operação de combate ao crime organizado, particularmente os relacionados ao narcotráfico, à lavagem de dinheiro, ao comércio ileg al de armas e pedras preciosas. A operação mobiliza cerca de 400 agentes públicos de diversos órgãos da administração pública federal e estadual, segundo informações da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.