PF indicia 'aloprado' por fraude em MT

Valdebran Padilha e seu irmão são acusados de envolvimento em esquema de desvio de verbas da Funasa

Fátima Lessa, de Cuiaba. Especial par ao Estado, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2010 | 00h00

A Polícia Federal em Mato Grosso indiciou 46 pessoas entre elas o "aloprado" Valdebran Padilha e seu irmão Waldemir por envolvimento num suposto esquema de desvio de verbas da Funasa e dos ministérios da Saúde e das Cidades. Segundo a PF, o rombo que pode chegar a R$ 200 milhões.

Os irmãos Padilha foram apontados no inquérito policial como "beneficiários de contratos e licitações fraudadas" com a Funasa e diversas prefeituras do Estado. Além das fraudes consta no inquérito que muitas obras foram pagas sem serem executadas.

Além de Valdebran e do seu irmão, também foram indiciados o tesoureiro do PMDB, Carlos Miranda, o secretário-geral, Rafael Bastos, e o assessor parlamentar Luiz Gomes Bezerra. Todos foram presos pela PF durante a operação Hygea, na semana passada, que desmontou um esquema de fraudes e desvio de recursos federais.

Irregularidades. De acordo com as investigações, o esquema envolveria empresários, agentes de viagens, lobistas, ex-prefeitos, ex-secretários e secretários municipais, servidores da Funasa e integrantes das Oscips Instituto Creatio e Idheas. Os irmãos Padilha são apontados como integrantes do "núcleo intelectual" da organização.

Dentre as irregularidades constatadas por auditorias internas da Controladoria Geral da União (CGU) e por meio de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça Federal constam licitações viciadas, superfaturamento de obras e cobranças por serviços não executados.

A Polícia Federal pretende concluir as investigações dos três inquéritos principais decorrentes das investigações da operação Hygea até a próxima sexta-feira. Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa da PF, no desdobramento das investigações foram encontrados indícios de outros crimes e a "a instauração de novos inquéritos deve ser feita, entretanto, os procedimentos correm separadamente".

A PF ainda procura quatro envolvidos que estão com prisão decretada: os empresários Celino Carvalho Mesquita, Luciano Carvalho Mesquita, Ronildo Nascimento e Maria Guimarães Rosa.

Para lembrar

Irmãos Padilha estão presos há uma semana

Valdebran Padilha e seu irmão Waldemir foram presos na quarta-feira passada, em Mato Grosso, durante a Operação Hygea, da Polícia Federal. Eles são acusados de comandar um esquema de desvio de verbas federais da Funasa e dos ministérios da Saúde e das Cidades. O esquema teria causado prejuízo de R$ 52 milhões.

Valdebran Padilha já havia sido preso pela PF em 2006, no escândalo dos "aloprados". Essa expressão foi usada por Lula para definir os petistas envolvidos no caso do falso dossiê de corrupção que seria usado contra candidatos tucanos na eleição daquele ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.