Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

PF inicia coleta de dados de passageiros, diz advogado

Segundo filho de casal vítima do voo, polícia quer saber se vítimas tinham tatuagens, próteses e outras coisas

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2009 | 12h37

Depois de uma reunião realizada nesta sexta-feira, 5, com parentes das vítimas do voo 447 da Air France, a Polícia Federal (PF) vai iniciar a coleta de informações sobre as vítimas e, em alguns casos, material genético para uma possível confrontação caso sejam encontrados corpos durante as buscas realizadas no Oceano Atlântico. A Superintendência da PF no Rio anunciou que não vai se pronunciar sobre o caso.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

lista Air France divulga lista de brasileiros no Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

blog Acompanhe a cobertura pelo blog Tempo Real

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

video Entenda a operação que localizou destroços

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

linkApenas 4 minutos da 1ª pane até a queda
linkAirbus voava em velocidade 'errada' e teria se 'desintegrado'

linkPiloto viu clarão na rota do Voo 447, informa jornal espanhol

linkDestroços e óleo recolhidos não são do Airbus, diz Aeronáutica

 

O Airbus A330 desapareceu na noite de domingo, com 228 pessoas a bordo. "Eles querem informações como tipos de prótese usadas pelos passageiros, se têm tatuagem, se usam piercings, marca-passos, a estatura de cada um e até fios de cabelos que possam ter ficado em escovas, para fazer a identificação, se aparecer algum corpo", disse o advogado Marco Túlio Moreno Marques, filhos do casal José Gregório e Maria Tereza, que estava no voo.
 

Segundo Marques, a PF informou que vai disponibilizar todo o aparato policial para que os parentes, onde quer que estejam, forneçam amostras de saliva para ajudar na identificação pelo DNA. Marques disse ainda que por pouco não houve pela manhã uma briga na sala do hotel na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, onde estão reunidos parentes das vítimas.

 

O advogado afirmou que muitos estão exaltados com Maartem Van Sluys por, segundo ele, se apresentar como representante das vítimas. Sluys é irmão da jornalista Adriana Francisca, que também estava no voo. Trazida pelo suposto representante, a presidente da Associação Brasileira de Parentes de Vítimas de Acidentes Aéreos, Sandra Assali, não teve, segundo o advogado, acesso à sala reservada e o encontro com parentes não foi autorizado. Marques afirmou que não há comissão formada e criticou a divulgação de fotos da sala onde os parentes se reúnem e de telefones dos familiares.

 

Atualizado às 18h44 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.