PF inicia operação de combate à supersafra de maconha

Uma megaoperação com o objetivo de erradicar plantios de maconha e combater o tráfico da droga em Pernambuco foi iniciada hoje, no sertão, por 200 homens das polícias federal e estadual de vários Estados nordestinos. Chamada de "Controle 12", a operação integrada terá duração de sete dias e conta com o apoio de sete helicópteros. É a primeira grande operação realizada neste ano na região conhecida como polígono da maconha, no sertão do SãoFrancisco, e a expectativa é a de se encontrar uma supersafra diante das chuvas que deixaram o solo mais fértil e pela greve dos policiais federais, que pode ter provocado ampliação da área de cultivo. De acordo com o superintendente da Polícia Federal de Pernambuco, Wilson Damázio, a operação poderá encontrar até 500 mil pés de maconha, volume superior a de safras identificadas em operações anteriores, que variaram entre 150 mil pés e 300 mil pés. Ele afirmou que a integração das polícias - Federal, Rodoviária Federal, Militar, Civil e Bombeiros - de toda a região Nordeste atende à orientação do governo federal, através da Secretaria Nacional de Segurança Pública, de engajamento de todas as forças policiais para a solução de problemas graves. Damázio lembrou que a maconha produzida em Pernambuco tem repercussão em todo o Nordeste. "Quanto mais repressãohouver, melhor, uma vez que se quer acabar com o tráfico e plantio no Estado", afirmou. Ele disse que a idéia da operação foi aprovada por unanimidade na décima-sexta reunião do Conselho de Segurança do Nordeste (Consene), em 14 de abril, em Fortaleza. O controle da maconha no sertão vinha sendo feito em operações menores, realizadas de três em três meses, de acordo com a assessoria de comunicação da PF-PE, que informou que nos últimos 10 anos, o cultivo foi reduzido em 70%. A operação foi deflagrada hoje, no município sertanejo de Salgueiro.

Agencia Estado,

10 de maio de 2004 | 18h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.