PF interroga advogado de Dilma no caso Erenice

O advogado da candidata Dilma Rousseff, Márcio Silva, foi ouvido ontem pelo delegado da PF Roberval Vicalvi, encarregado das investigações sobre tráfico de influência na Casa Civil. Silva é dono do escritório onde Israel Guerra, filho da ex-ministra Erenice Guerra, recebia empresários interessados em negociar com o governo. Ele disse que não sabia quais eram as atividades de Israel nem que ele usava a sala de reuniões da Trajano & Silva Advogados como se estivesse em sua empresa.

Rosa Costa, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2010 | 00h00

"Na verdade eu estou sendo ouvido por conta da menção ao meu nome, o escritório tem duas salas de reunião, dois ambientes fechados, então não vejo quem entra e quem sai. Mas eu não tive nenhuma participação, não sabia das reuniões e não tenho relação com nenhuma das empresas que são citadas", disse. Silva acredita que seu nome passou a ser mencionado na denúncia por conta da sua ligação com Dilma Rousseff. "Sou advogado de uma campanha presidencial, agora, fora disso eu não sei dizer", alegou.

Senadores aliados do governo boicotaram ontem a reunião da CCJ do Senado para impedir a votação de requerimento convocando Erenice para depor. O presidente da CCJ, Demóstenes Torres (DEM-GO), lamentou a ausência de colegas. O petista Eduardo Suplicy (SP) admitiu que partiu da Casa Civil orientação para impedir a realização da reunião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.