PF investiga desaparecimento de ex-miss Brasil em Joinville

Dois dias após a denúncia formal do desaparecimento da ex-miss Brasil e Taíza Thomsen, 24 anos, a Polícia Federal da cidade catarinense de Joinville tenta resolver o caso. A jovem desapareceu sem deixar pistas e fez o último contato há quase meio ano.Apesar de angustiados com a falta de notícias da filha desde meados de 2006, Antonio e Ângela Thomsen evitaram tornar pública sua preocupação pois receberam telefonemas em tom ameaçador, levando a supor que Taíza poderia estar em risco. Para eles, parecia ser mais seguro encontrar a filha sem recorrer à polícia.Desesperado com o silêncio e encorajado pelos familiares, Antonio Thomsen, dono de uma revenda de carros usados em Joinville, a maior cidade de Santa Catarina, procurou a polícia nesta quinta-feira para registrar o desaparecimento da filha. Embora não existam provas de que a ex-miss e modelo esteja fora do país, essa possibilidade está sendo cogitada, o que justifica o fato de a Polícia Federal ter assumido o controle do caso. Até a próxima quarta-feira, o delegado Marcos David Salem espera apresentar o resultado das primeiras investigações.Dona de uma beleza incomum que a fez chegar ao título de Miss Brasil em 2002, Taíza sempre conviveu normalmente com a família e amigos, até sair da cidade natal há quase dois anos. A partir daí, nos poucos contatos que fez, ela dizia que estaria morando em Vila Mariana, bairro de classe média em São Paulo, e procurava tranqüilizar a família, dizendo que estava bem. Na verdade, o endereço que ela usava fica na favela do Ademar, zona ocupada por marginais. O desespero iria começar em 5 de setembro de 2006, quando ela desligou bruscamente, como se estivesse sendo ameaçada. Foi a última vez que família ouviu a voz de Taíza.,Como se não bastasse a escassez de notícias, em fevereiro do ano passado a mãe foi surpreendida por uma ligação da primeira-dama de Joinville, Dilamar Tebaldi, revelando à família o suposto envolvimento de Taíza com o prefeito. Os pais não sabiam de nada, e a própria Taíza, num dos contatos, negou este fato, alegando que os compromissos sociais e viagens na companhia do prefeito tinham motivo profissional. Outro dado a ser esclarecido é sobre uma suposta gravidez. Numa das comunidades de amigos de Taíza no Orkut uma amiga a cumprimenta e dá os parabéns por estar grávida. Há informações contraditórias se houve ou não o nascimento de uma criança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.