PF já prendeu 51 pessoas em operação contra tráfico de drogas

Quadrilha comercializa 500 kg de cocaína por mês, vindos da Bolívia, e incentiva rinhas de galo em três Estados

Elvis Pereira, do estadao.com.br,

12 Setembro 2007 | 15h15

A Operação Colméia da Polícia Federal prendeu 51 pessoas envolvidas com uma quadrilha internacional de tráfico de drogas. Cerca de 300 policiais cumprem 52 mandados de prisão e 42 mandados de busca e apreensão em dez cidades do Rio Grande do Sul e em Santa Catarina e no Ceará. Quarenta veículos foram apreendidos, além de R$ 200 mil, armas e produtos usados no refino da cocaína.   Na cidade gaúcha de Viamão, foram encontrados 300 quilos de cocaína eum sítio de um dos integrantes do bando. O suposto líder da quadrilha, Ademar Fracalossi, foi detido em Porto Alegre. Os presos devem ser indiciados por lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, associação para o tráfico e financiamento ao tráfico. Somadas, as penas podem chegar a 55 anos.   A quadrilha atua em todo Estado do Rio Grande do Sul, além de Santa Catarina e Ceará, com ênfase na importação, refino, compra, venda, entrega e distribuição de cocaína feita principalmente para traficantes menores. Estima-se que essa organização comercializa 500 quilos de cocaína por mês, vindos da Bolívia, ingressando no Brasil através da Argentina e distribuída no RS e em SC e também no Uruguai.   Outra característica da organização criminosa é a prática e o incentivo de rinhas de galo, atividade proibida pela lei ambiental, que prevê pena de detenção de três meses a um ano, além de multa no valor de R$ 2 mil.   As investigações iniciaram em março de 2007, após a Operação Savana, com a prisão de vários traficantes. Durante esse período, várias cargas foram interceptadas, totalizando aproximadamente 100 quilos de cocaína apreendidas, com alto teor de pureza, além de produtos destinados à preparação e refino, e a prisão em flagrante de 14 pessoas.   (Colaborou Solange Spigliatti, do estadao.com.br.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.